Como Criar Buyer Personas

Vou continuar como prometido, a falar sobre personas. Desta vez, vou falar sobre a Buyer Personas.

Você não deve mergulhar em publicidade paga ou marketing de conteúdo sem saber exatamente quem é sua buyer personas.

Conhecer e entender quem compra, ou vai comprar seus produtos é essencial para ajudar a maximizar seu retorno de investimento de publicidade e eficácia de conteúdo.

Para entender os principais grupos de clientes, tornou-se um padrão para muitas empresas criar Buyer Personas (ou cliente).

Definição:

A pessoa do comprador é uma representação semi-ficcional de seu cliente ideal com base em pesquisas de mercado e dados reais sobre seus clientes existentes. Hubspot

“Uma Buyer Persona diz o que os potenciais clientes estão pensando e fazendo enquanto ponderam suas opções para resolver um problema que sua empresa resolve. Muito mais do que um perfil unidimensional das pessoas que você precisa influenciar, ou um mapa de sua jornada, as buyer personas revelam informações sobre as decisões dos seus compradores – as atitudes, preocupações e critérios específicos que levam os potenciais clientes a escolherem você, seu concorrente ou status quo.” http://www.buyerpersona.com

Neste artigo, vocês aprenderão como criar Buyer Personas para o seu negócio para que você possa segmentar seus anúncios e criar conteúdo mais convincente que envolva seus clientes ideais.

Vamos começar!

Qual a importância das Buyer Personas

O que já foi um exercício geralmente praticado apenas por grandes empresas, está se tornando cada vez mais útil para pequenos negócios, principalmente os online.

Existem alguns motivos para isso. Primeiro, à medida que o espaço online se torna cada vez mais cheio, torna-se cada vez mais importante ter anúncios e comunicações ultra segmentos. Além disso, as ferramentas para segmentar os clientes foram democratizadas até o ponto em que todos podem criar campanhas para direcionar os clientes com base em uma lista cada vez maior de dados demográficos e psicográficos.

A publicidade paga do Facebook agora permite uma incrível quantidade de segmentação avançada com base em informações como localização, idade, idioma falado, nível educacional e interesses. Pela primeira vez no histórico, mesmo com um pequeno orçamento e com uma nova loja online, você tem acesso a uma segmentação de público muito específica.

Para dar uma ideia do nível de detalhes que você pode usar para segmentar seus anúncios no Facebook, veja abaixo os parâmetros que você pode definir:

 

 Buyer Persona

Buyer Personas evoluirão e mudarão

É importante lembrar que seus personagens vão mudar à medida que você descobre mais informações sobre seus principais tipos de clientes e o que os motiva.

Especialmente quando você está começando e criando buyer personas para um novo negócio, muitas vezes você se baseia em pensamentos, sentimentos e intuições pessoais. No entanto, à medida que seu negócio progride e você faz vendas, você começará a aprender muito mais sobre seus principais clientes.

À medida que você aprende mais, não se esqueça de voltar e redefinir continuamente suas buyer Personas para garantir que você esteja direcionando seus potenciais clientes de forma mais eficaz.

Defina amplamente Suas Buyer Personas

Para começar a definir suas buyer personas, você vai querer ser o mais amplo possível, e, em seguida, vai detalhando mais e mais. Tenha em mente que a maioria das empresas poderão ter vários tipos de buyer personas.

Vou exemplificar. Vamos supor que temos um e-commerce que vende meias diferentes, criativas e coloridas para mulheres. Vamos chama-la de Super Meias.

Como a dona desta empresa fictícia usa as próprias meias, fica mais fácil detectar potenciais clientes e grupos de buyer personas.

Consumidor final – Estes são clientes que estão comprando para si ou como presente para outra pessoa.

Contas de atacado – Isso inclui compradores atacadistas de outras empresas que podem querer vender Super Meias em suas próprias lojas de varejo e online.

Agora que temos dois grupos de compras muito amplos, vamos quebrar um deles ainda mais. O primeiro grupo, o Consumidor final, definitivamente pode ser dividido em algumas buyer Personas, então vamos usar isso como nosso exemplo.

Dependendo do tipo de produto que você vende, você pode dividir suas buyer personas de maneira diferente, no entanto, neste caso particular, dividiremos o consumidor final em duas pessoas distintas:

Mulheres Fazendo Compras – comprando para elas.

Homens comprando para suas namoras / esposas como presentes.

Agora que temos todas as pessoas compradoras iniciais amplamente definidas, é hora de definir algumas informações importantes sobre elas.

Detalhamento de Buyer Personas 

Então, onde você começa quando se trata de definir as pessoas do seu cliente?

Há muitas informações possíveis que você poderia pesquisar, usar e definir, no entanto, um ótimo lugar para começar é analisando as informações que você pode usar com praticidade.

O Facebook é uma das redes de anúncios de crescimento mais rápido e também é um dos mais fáceis de usar. Mais importante ainda, também tem muitas opções de segmentação que acompanham a personalidade do seu cliente. Isso torna o Facebook Ads um ótimo lugar para começar a procurar dados demográficos e psicográficos do cliente para definir.

Enumerei alguns dos principais elementos a serem definidos abaixo para cada um de seus personagens:

Nós enumeramos alguns dos principais elementos a serem definidos abaixo para cada um de seus personagens:

Localização – Onde as pessoas desta pessoa vivem?

Excluindo localização – Onde as pessoas desta pessoa não vivem?

Idade – Qual é a faixa etária desta pessoa?

Gênero – Qual é o gênero das pessoas nesta pessoa?

Interesses – Quais são os interesses das pessoas nesta pessoa?

Nível de Educação – Qual é o nível de educação desta pessoa?

Título do trabalho – Em que campo de trabalho o seu cliente trabalha e quais tipos de títulos de trabalho eles carregam?

Nível de renda – Qual é faixa de renda dessa pessoa do comprador?

Status de Relacionamento – Qual é o status de relacionamento desta pessoa do comprador?

Idioma – Quais idiomas as pessoas nesta pessoa falam?

Sites favoritos – Qual tipo de site esta pessoa geralmente acessa?

Motivação de compra Quais motivos que essas pessoas têm para comprar o seu produto?

Preocupações de compra – Qual a maior preocupação que a pessoa tem ao comprar seu produto?

Se você não tem todas as respostas para as perguntas acima não tem problema, você pode fazer outras perguntas, se imagine no lugar de comprador, quais são suas dúvidas na hora da compra? Mas não esqueça, a finalidade deve ser sempre compreender melhor os seus clientes para poder se comunicar de forma mais eficaz, bem como para poder segmentar os seus anúncios de forma mais precisa.

Como pesquisar suas Buyer Personas

Para começar a coletar informações sobre buyer personas, você tem que começar a pesquisar e preencher as lacunas com pequenas suposições.

Se você tiver um negócio já estabelecido …

Se você possui um negócio online já estabelecido, existem ferramentas que você provavelmente já usou e podem ajudá-lo a entender melhor quem são seus clientes atuais. Algumas dessas ferramentas incluem o Facebook Insights, se você tiver uma página do Facebook configurada para o seu negócio. Você também pode usar o Google Analytics Audience Reports, que possui informações robustas sobre dados demográficos e alguns psicográficos dos visitantes do seu site.

Para entender a sua personalidade psicológica em profundidade, sua melhor aposta é conversar com seus clientes existentes. pesquisando seus clientes com uma ferramenta como Survey Monkey. Uma vez que eles compraram de você, eles são o tipo de cliente que você deseja mais, então entender o que os motiva a comprar e suas maiores preocupações podem ajudá-lo a se comunicar de forma mais efetiva com pessoas similares a elas.

Se você não possui um negócio já estabelecido …

Se você ainda não possui um negócio online estabelecido, um ótimo método para ajudá-lo a preencher os espaços em branco é analisar seus maiores concorrentes. Um dos melhores lugares para começar é usando um serviço como o SimilarWeb para analisar o tráfego de seus concorrentes.

Você também pode tentar visitar os blogs e as mídias sociais dos seus concorrentes. Analise os perfis das pessoas que estão comentando e interagindo nas postagens deles.

Buyer Persona

Utilizando as ferramentas mencionadas na seção anterior e algumas suposições, completamos nosso personagem de exemplo para supere maias . Aqui está o que surgiu:

  • Localizações: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
  • Idade: 25 – 40
  • Género: Feminino
  • Interesses: fitness e bem-estar, compras e moda, esportes ao ar livre e ou tecnologia
  • Nível de Ensino: Graduado
  • Cargo: Empreendedoras, Publicitárias, Coordenadoras de Marketing
  • Status de Relacionamento: Solteiro
  • Interessado em: Homens e Mulheres
  • Língua: Português
  • Motivação de compra: deixar o dress code mais divertido e diferente.
  • Preocupações de compra: consciência de preços.

A última coisa a fazer é tornar a personalidade viva e humanizá-la. Isso geralmente é feito dando a pessoa um nome e uma foto. Você pode usar um gerador de nomes on-line e usar imagens no LinkedIn ou nas Imagens do Google, desde que suas pessoas sejam apenas para uso interno.

 Buyer Persona

Como usar as Buyer Personas

Com todas as buyer personas, agora você deve ter uma ideia muito melhor de quem, como e onde você deve estar comercializando para atingir o maior nível de sucesso.

As informações demográficas de cada persona te ajudarão a segmentar seus anúncios de forma mais eficaz, e as informações psicográficas podem ajudá-lo a escrever um conteúdo mais atraente para cada personagem particular.

Por exemplo, sabemos ao ver a personalidade acima que anunciar uma venda ou desconto para Bianca provavelmente será mais eficaz do que tentar anunciar qualidade, pois sabemos que ela é consciente de preços.

Conclusão

Como mencionado anteriormente, as pessoas buyer personas provavelmente mudarão à medida que você for aprendendo mais sobre elas e for recebendo novas informações também. Você pode até descobrir buyer personas completamente diferentes à medida que sua empresa cresce.

Com as buyer personas definidas, sua segmentação e comunicação de anúncios tem uma chance muito melhor.

Do engajamento aumentado em seus canais de mídia social para um ROI maior para seus anúncios on-line, dá um espaçamento de tempo para definir suas buyer personas e pode ajudar seu negócio online a ter sucesso ao conhecer e entender melhor seus principais clientes.

Espero que este artigo tenha ajudado. Caso tenham dúvidas ou algo a acrescentar, deixe nos comentários! Será um prazer discutir isto com vocês!

O que é Brand Persona?

Buyer Persona e Brand Persona

Participei de um evento neste final de semana e dentre as palestras tinha uma voltada para MARKETING DIGITAL PARA STARTUPS. O palestrante falou o tempo todo em persona, querendo dizer público alvo, que no caso seria na verdade uma buyer persona. Existe uma diferença entre Buyer Persona e Brand Persona e quem trabalha como inbound ou outbound marketing, precisa saber.

Muitas pessoas em uma palestra como esta, que não era voltada para especialistas, podem não entender a diferença. Então a primeira dica é: quando for dar uma palestra, seja claro. Seu público tem que entender o que você está falando e você tem que familiarizá-lo com o dialeto do seu nicho.

Ele queria dizer para focarmos em nossa buyer persona, público alvo. Isso me incomodou tanto, que resolvi fazer dois artigos, sobre os dois temas, pois tanto a buyer como a brand persona são essenciais para o planejamento estratégico de marketing do seu negócio. Vamos começar falando de Brand.

BRAND PERSONA

Definição

“Brand Persona é descrever e documentar um guia de linguagem caracterizado pelo tom da fala e uma voz da marca. (…)

Esses textos nem sempre estão relacionados a textos escritos em primeira pessoa. Todavia, possuem construção de uma constelação semântica que visa criar palavras que apontam: jeitos próprios da marca falar, gírias, regionalismos e identificação com a sua linguagem visual”. Marketing de Conteúdo.

Vou além, Brand Persona ou Personalidade da Marca é uma coleção de traços de personalidade, atitudes e valores que sua marca exibe em uma base regular para ajudar a se conectar com um determinado segmento de público. É um personagem de marca, pode ser uma pessoa, animação, mascote ou ideia.

Veja aqui alguns cases de sucesso com Branded

“A finalidade de brand personas é criar representações confiáveis ​​e realistas de seus principais segmentos de audiência para referência. Estas representações devem ser baseadas em pesquisa qualitativa e quantitativa para o usuário e análise da web”. (usability.gov)

 

Brand Persona

Uma boa Brand  Persona é aquela que você pode quase visualizar como alguém que você conhece. Você também pode pensar nisso como uma imagem sua ao interagir como marca. Imagine seu negócio e que você está começando a criar a personalidade da sua marca. A maneira mais fácil, é imaginar o tipo de pessoa que você acha teria interesse seus produtos e serviços e criar mensagens para eles. Pense em uma personagem da marca como o arquétipo que melhor representa o que você quer passar para seu público, como o Pinguim do Ponto Frio ou a Lu do Magazine Luiza (clichês, mas estou tentando deixar de citar marcas estrangeiras).

Uma Brand Persona autêntica pode ajudar a estabelecer a confiança com os usuários e ajudar a manter sua lealdade. Isso é especialmente bom para sites de comércio eletrônico. Se ela for forte e bem trabalhada pode impactar positivamente as vendas.

5 Brand Persona com Marca-Chave

Historicamente, as pessoas da marca se encaixam em vários nichos diferentes, baseados no comportamento humano. Se você nunca criou uma brand persona, você vai criar uma hoje, seguindo os exemplos que eu vou dar:

Cuidador: É um personagem empático e gentil.

Competente: É um líder influente que pode ajudar os usuários ou influenciá-los a agir.

Animado: É espirituoso, está sempre feliz, independente do que esteja fazendo e embarca em aventuras com facilidade.

Fitness: Uma pessoa de porte atlético e é sempre muito disciplinado.

Sofisticado: Exala elegância, estilo e prestígio.

Dicas para criar uma brand persona 

Alguns dos melhores conselhos sobre a criação de identidades de marca ou brand persona, é definir emoção e para isso existe uma lista de elementos para você pensar ao descrever melhor a sua marca.

Primeiro, se pergunte: O que seu personagem gosta de fazer? É uma pessoa, um animal ou um objeto. Com isto, você já consegue criar uma imagem da personalidade da sua marca.

Depois siga os seguintes passos:

  • Crie uma visão geral de sua marca.
  • Liste os traços de sua marca que você deseja destacar.
  • Mapeie a personalidade que você deseja da lista acima ou crie algo com mais detalhes (é o ideal).
  • Descreva como sua pessoa vai falar, e forneça exemplos.
  • Descreva como a persona se envolve com os outros.
  • Coloque um guia de estilo com fontes e cores que combinam com a persona.
Por que uma Brand Persona é importante

Sua Brand Persona tem como objetivo (um deles pelo menos e o principal) criar uma conexão real entre sua empresa e os usuários. Se você não criar algum tipo de personalidade, pode não transmitir a impressão que você deseja. É por isso que você precisa criar uma personalidade para sua marca, afinal, ninguém gosta de conversar com robôs.

Vamos supor que sua marca é voltada para o público jovem, ela pode então ser divertida, leve e que ajuda a vender o produto. Eu imagino um homem magro, que fala para os usuários em tom casual. As cores, tipos de letra e design em geral são leves também, conectando ainda mais a empresa à personalidade da marca.

Enfim… 

Uma Brand Persona bem feita, pode aumentar suas vendas, fidelizar clientes, conquistar e encantar  seu público alvo. Ela vai ajudar a estabelecer uma conexão valiosa entre clientes e sua marca. Você quer que os compradores ou visitantes do site sintam que eles sabem quem você é e que eles são seus amigos e com isso, eles vão se envolver mais e até compartilhar seu conteúdo, gerando um marketing gratuito. O personagem é seu guia ou mentor ou amigo.

Em longo prazo, sua brand persona estará fortemente associada à sua marca. Certifique-se de que ela incorpore o que você quer que as pessoas pensem quando interagem com sua marca. Com estas dicas acima, você pode criar uma brand persona que se conecta com seus clientes.

Caso queira aprofundar mais um pouco, eu fiz um e-book para vocês! Cadastrem e baixem!

 

 

Como Melhorar Sua BIO nas Mídias Sociais

Quando foi a última vez que atualizou sua bio nas mídias sociais? Se você passou algum tempo agonizando sobre o que escrever, como escrever, e o que incluir, vou te ajudar.

Compartilhar seus pontos fortes, habilidades e soluções únicas não devem ser difíceis e foi pensando nisso que pesquisei muito e cheguei a 4 etapas essenciais para você melhorar ou fazer sua BIO nas redes sociais.

O processo é simples e ao final sua BIO vai estar poderosa.

 PASSO 1: Bio Auditoria

A sua BIO tem que se vender, ou melhor, vender o seu serviço ou produto, mas antes, vamos analisar cada rede social sua. Você vai gastar apenas 15 minutos:

Para fazer isso, demore 15 minutos e:

Vá para o Facebook, Twitter, Instagram, LinkedIn, YouTube, Pinterest, Google+ e outros perfis sociais que você configurou.

Complete esta lista de verificação e responda a cada pergunta para todos os canais sociais. O que você tem que analisar por lá:

  1. Seu nome é o exato que você está usando em todos os perfis on-line?

Facilite a vida das pessoas e tenha o mesmo nome em todas as redes sociais, isso determina quem você é. Consistência é a chave para conseguir ser encontrado.

  1. A sua bio incorporar palavras-chave que são relevantes para a sua negócio e nicho?

Caso contrário, acesse a Pesquisa do Google e digite 3-5 termos (frases de 2 a 3 palavras) que seu público usaria ao pesquisar seu negócio.

Um alerta, não encha sua BIO de palavras chave, seja o mais minimalista, amigável e acessível possível. Você não é um robô ;), Use as palavras organicamente.

Um exemplo, você vende acessórios – “A Maria Bonita Acessórios vende os acessórios mais originais da cidade” em oposição a “A Maria Bonita Acessórios vende os acessórios mais originais de Belo Horizonte”.

Viu o contraste? Uma pequena mudança pode fazer toda diferença.

Escreva sua bio como você se você tivesse explicando para alguém, um tom de conversação é muito mais atraente para os seres humanos e SEO em 2017.

Escreva para o leitor. Ao fazer isso, você vai naturalmente aumentar o engajamento e atrair as pessoas certas.

  1. Você completou sua seção “Sobre”?

Redes como Facebook e Google + dar-lhe um monte de imóveis para trabalhar.

Tire todo o proveito desta bio estendida para adicionar todas as informações de contato – seu site, blog, Twitter, LinkedIn e quaisquer outros links.

E certifique-se que dá uma resposta sólida para “por que eu deveria trabalhar com você?”

  1. Sua imagem de perfil é consistente em todos os perfis sociais?

Esta dica não é necessariamente sobre a descrição sua bio, mas desempenha um papel enorme na obtenção encontrado on-line.

Sua foto de perfil tem que ser maravilhosamente profissional se você quer reconhecimento imediato.

E se você é uma marca pessoal – as pessoas querem conhecer você.

Você está usando hashtags onde é relevante?

Hashtags não funcionam em todos os canais sociais, mas onde elas são necessárias, use as mais relevantes.

Use hashtags para ser encontrado em cada canal social. Isso seria o que você quer ser conhecido por fazer ou vender. Quando as pessoas procuram, como vão encontrá-lo?

Não tenha medo de compartilhar isso!

 PASSO 2: Encontre seu GANHO

Em um mundo on-line de “mais do mesmo”, criando diferenciação é uma obrigação e se destacar pode ser difícil. Mas misturar-se é muitas vezes o beijo da morte quando se trata de sucesso nas mídias sociais.

Se você gosta ou não, suposições estão sendo feitas agora sobre o seu negócio. Seu produto, serviço, experiência do cliente e presença on-line são todos fatores na percepção do consumidor.

Mas sua mídia social e presença on-line são muito mais do que APENAS isso. É a marca que você criou, incluindo a reputação e os relacionamentos que você construiu ao longo do tempo.

Tudo, desde suas conversas até suas ações diárias, a maneira como você tratou seus clientes ao longo do TEMPO e, é claro, todos os posts que faz você tão maravilhosamente e deliciosamente você, estão amarrados em sua percepção de marca.

O desafio para a maioria das empresas é traduzir essas características em uma marca que atrai, envolve e inspira clientes em potencial em toda a mídia social.

Portanto, antes que você possa compartilhar o que diferencia você e por que seu público-alvo deve trabalhar com você, é imperativo que você identificar o seu QPN (Quem, Problemas,Necessidades).

Por exemplo:

Com quem você está falando nas mídias sociais: pequenas empresas, empresários, profissionais de marketing.

Quais problemas ou problemas você resolve: tempo insuficiente, orçamento, conversão.

Quais são suas necessidades específicas quando vêm a você: criar mais conteúdo, engajamento de mídia social, facilidade de uso, solução de longo prazo, solução confiável.

Vamos tomar um minuto para praticar. Eu quero que você pense sobre o seu QPN e anote 3 respostas para cada uma dessas perguntas.

Eles se tornarão uma força motriz por trás do seu trabalho:

Seu conteúdo de mídia social.

O posicionamento da sua mensagem de marketing.

Como você embarca seu bios de mídia social.

Fazer este trabalho no início é uma peça crítica, especialmente se você está trabalhando atualmente com clientes.

Eu convido você a fazer isso agora, ao invés de jogar por trás e lutando para colocar o seu QPN juntos no caminho.

PASSO 3: Identificar seus pontos fortes

Como profissionais de negócios, tendemos a nos concentrar em corrigir nossas fraquezas. Coisas como impaciência, procrastinação, ou uma incapacidade de delegar pode se sentir como barreiras para o sucesso.

Mas ver esses pontos como seu calcanhar de Aquiles e um obstáculo para o crescimento é uma forma distorcida de olhar para eles. Hoje, estou encorajando você a inverter esse pensamento em sua cabeça. Através deste exercício, você vai se concentrar em expandir seus pontos fortes. Por quê?

Por um lado, ele cria uma mudança maciça em seu desempenho, além disso, concentrar-se nos seus pontos fortes que melhorará a sua produtividade e criatividade.

E o mais importante, passando por estas 2 etapas, você verá como isso influi na criação de sua bio. Posso dizer que é um atalho para a criação de uma bio que não só converte, mas fala aumento de público/mercado alvo.

Então vamos dar um up em seus pontos fortes e dar seus perfis sociais um grande impulso de energia positiva.

Veja como começar …

  1. Responda às perguntas de reflexão abaixo. Adicione o máximo de detalhes possível à sua resposta inicial.

Quais são as três principais coisas que você gosta de fazer todos os dias?

Que desafio você superou que você tem mais orgulho?

Qual é a sua maior conquista e por que isso importa para você?

Você é inovador ou tradicional em pensar?

Como você prefere se comunicar?

  1. Tome suas respostas e condensá-los em uma lista de pontos fortes.

Por exemplo, o top 3 coisas que você gosta de fazer todos os dias pode ser assim:

Falar com os clientes.

Escrever postagens no blog.

Desenho de gráficos de mídia social.

Agora que você identificou:

O top 3 coisas que você gosta de fazer todos os dias.

O maior desafio que você superou e está mais orgulhoso.

Sua maior conquista e por que isso importa para você.

O que você faz melhor do que qualquer outra pessoa.

Sua maior história de sucesso.

Você vai tecer esses em sua bio para cada canal social. Ao invés de uma bio estéril, esta será uma expressão de sua história de marca.

PASSO 4: A Fórmula Bio Social Media (Faça ISSO Uma Coisa!)

Agora vem a diversão! Pronto para escrever sua bio social media?

Aqui está a fórmula exata a seguir.

Quando você terminar, você terá escrito seu bios de 150 e 300 palavras – o tamanho que você precisará para qualquer rede social – siga este processo:

Escolha uma coisa que você mais ama da sua lista. O que você faria todos os dias mesmo se você não foi pago por isso?

Agora conte a história de sua maior conquista.

E a pessoa que você ama ajudar.

Finalmente, anote o que você faz melhor do que qualquer outra pessoa.

A fórmula tem esta aparência:

150 palavras bio: Uma coisa que você adora fazer todos os dias + a pessoa que você ajuda + sua solução = sua bio.

Um exemplo:

O que Luh gosta de fazer? Ajuda as empresas a crescer com a mídia social

Quem deve contratar a Luh? Proprietários de pequenas empresas.

Qual é a solução de Luh? Ela se concentra no conhecimento da marca, no crescimento da empresa e no estabelecimento de comunidades conectadas e leais.

Agora chegou a sua vez de melhorar sua BIO.

Programação Nas Mídias Sociais – tudo que você precisa saber

“Ao não se preparar, você se prepara para falhar.”

Benjamin Franklin

Antigo, mas bem atual, concordam? Quando você faz da programação de mídia social uma prioridade, você planeja para no futuro  ficar um passo à frente de um nicho que pode mudar rapidamente e o tempo todo. 

Mídias sociais não é apenas sobre presença nas redes. Não basta ter um perfil, você precisa engajar-se com o seu público. No entanto, tentar organizar, gerenciar e publicar seu conteúdo de mídia social não é tarefa fácil. É preciso tempo e investimento para ver os resultados de uma bem- executada estratégia de marketing de mídia social.

Aprender a programar de maneira eficaz o conteúdo de mídia social não só economiza tempo e dinheiro, mas também torna seu negócio adaptável e melhor organizado. Existem algumas nuances para aprender com programação de mídia social, mas com as ferramentas certas, conteúdo e motivação, você será um profissional excepcional.

Experimente as ferramentas de publicação para agendar conteúdo em várias contas ou plataformas. Existem várias por aí e algumas estão neste artigo aqui!

Os benefícios da programação de mídia social

A programação de mídia social fornece muitos benefícios para sua empresa, agência ou organização empresarial. O tempo e a energia economizados podem significar a diferença em uma campanha bem-sucedida.

Aqui estão alguns benefícios da programação de mídia social:

Alcance na hora certa ou fuso horário correto: Algumas marcas sabem que sua audiência principal está em locais diferentes ao redor do mundo. Trabalhar da maneira correta faz com que você esteja um passo a frente da concorrência e é fundamental para maximizar o alcance orgânico. Não só você pode publicar a qualquer momento, mas também pode criar planos de conteúdo, agendar em conformidade e voltar a outras tarefas.

Publique atualizações em tempo real: Se você está programando um lançamento de produto ou uma atualização da empresa, a programação tira o estresse do social e permite que você se concentre em outras coisas. Algumas vendas de negócios começam à meia-noite, então por que ficar acordado e esperar quando você pode agendar e ser oportuno?

Mapeie seu conteúdo: além de ser oportuno, você pode trabalhar com ferramentas de agendamento. Planeje e mapeie seu conteúdo de mídia social, isso permite que você seja mais estratégico, melhore sua segmentação e, em última análise, poste mais conteúdo.

Limitar posts promocionais: Uma das principais razões pelas quais as pessoas não seguem algumas marcas/negócios é devido ao conteúdo excessivamente promocional. Lembre-se da regra 80/20 (80% criativo e 20% promocional) para manter os seguidores entretidos e felizes.

Consistência entre plataformas: Uma voz de marca inconsistente pode fazer mais mal do que bem e isso é verdadeiro para as mídias sociais também. Mantenha a consistência na voz da marca com conteúdo agendado e assegure-se de que suas postagens não pareçam fora da marca.

Dicas de agendamento de mídia social

Se você está lendo até aqui, provavelmente é novo na área e quer entender os benefícios de agendar as postagens. Bom, primeiro temos que aprender como fazer isso.

Plataformas de mídia social nativas não foram realmente construídas para as empresas, o que significa que você precisa de uma poderosa ferramenta de programação de mídia social. É por isso que lhe daremos cinco dicas para melhor programar seu conteúdo de mídia social com uma ferramenta de agendamento:

1. Adotar uma ferramenta que abranja pelo menos duas das suas principais plataformas sociais.

Algumas ferramentas programam para facebook, Twitter, LinkedIn e instagram, outras para apenas duas dessas e outras apenas uma. Algumas ferramentas também te dão a opção de fazer um calendário editorial nela mesmo, o que facilita pra você, tendo todas as informações em um só lugar. (acho que vou fazer um post sobre ferramentas de calendário e editorial, o que acham?)

Voltando, entenda quais redes sociais são melhores para sua marca e invista nelas com os insights que você pode obter de uma ferramenta de análise social se possível, tudo em um só lugar.

Não escolha muitas, concentre-se nas poucas redes que realmente produzem resultados. À medida que você constrói sua estratégia de conteúdo social, você será capaz de ajustar e alterar seus hábitos de publicação para ganhar mais fidelidade à marca e seguidores envolvidos.

Cada negócio social terá necessidades diferentes, mas isso não deve impedi-lo de lidar efetivamente com as redes que você precisa.

2. Comece a preencher o calendário de conteúdo

Depois de ter suas ferramentas definidas, é hora de começar a planejar. Construir seu calendário de mídia social é a melhor maneira de manter a consistência, publicar continuamente e permanecer ágil em sua indústria. Há algumas perguntas importantes a serem feitas ao construir seu calendário.

Primeiro, quantos posts por dia você pretende publicar e em quais redes sociais? Embora cada rede tenha obviamente diferentes hábitos de publicação, a quantidade de seguidores também pode tornar sua situação única.

Por exemplo, publicar duas vezes por dia no Facebook sempre foi o melhor para marcas. Mas um estudo HubSpot encontrou marcas que publicam duas vezes por dia com menos de 10.000 seguidores que veem menos cliques quanto mais eles publicam.

E com o último algoritmo de mídia social da Instagram, as marcas querem mais engajamento por postagem. Isso aumenta a demanda por conteúdo de qualidade.

Através da pesquisa coletiva, CoSchedule dissecou a melhor frequência de postagens de diferentes estudos. Eles recomendaram postagem entre esses intervalos, dependendo do tamanho do público, do tipo de conteúdo e da programação:

  • Facebook: 1-2 vezes por dia
  • Instagram: 1-2 vezes por dia
  • LinkedIn: 0-1 vezes por dia
  • Twitter: 1-51 vezes por dia (recomendado 15 por dia)
  • Pinterest: 3-30 vezes por dia (recomendado 11 por dia)

3. Conheça seus diferentes tipos de conteúdo para publicar

Cada marca tem hábitos de publicação únicos, mas há maneiras de ser criativo para preencher o seu calendário. Por exemplo, você pode tentar publicar tipos de conteúdo diferente para cada dia em uma base semanal. Aqui está uma pequena lista de tipos de conteúdo para usar a cada semana:

Conteúdo gerado pelo usuário: Uma maneira simples de destacar seus usuários avançados, clientes e defensores da marca é através do conteúdo gerado pelo usuário. Você pode destacar clientes reais e incentivar outros a compartilhar suas experiências de produtos com você.

Novidades no seu Nicho: Se você está em um nicho, como dizer, “chato” ou não, há sempre notícias. Encontre lugares no LinkedIn ou Twitter para compartilhar notícias do setor e mostrar aos clientes que você é uma autoridade sobre o assunto e permanecer no saber.

Conteúdo Por Trás Das Cenas: O Snapchat tornou os conteúdos in-the-moment e behind-the-scenes emocionantes para os usuários. As marcas aproveitaram isso e adicionaram tours semanais em Instagram Stories, encontros de influenciadores no Snapchat e outros conteúdos nos bastidores de outras plataformas.

Conversas de grupo / Discussões: bate-papos do Twitter, bate-papos do grupo do Facebook e outros formatos de discussão de estilo funcionam bem para conectar sua marca aos usuários e outros na indústria. Você pode destacar comentários, perguntas e tópicos abordados no bate-papo e usá-los como pontos de discussão para seu conteúdo durante o mês.

Concursos criativos: Mantenha competições criativas para que os usuários se envolvam. Dê presente personalizados ou pequenos presentes relacionados à sua empresa para aqueles usuários que participam de seus canais sociais.

Lembre-se de não agendar com muita antecedência, porque você pode perder a “frescura” do seu conteúdo.

4. Configurar um fluxo de trabalho de aprovação

Para agências e empresas corporativas, a aprovação de mensagens é fundamental para qualquer calendário de mídia social. Com um fluxo de trabalho de aprovação, os proprietários de conteúdo sabem que suas postagens são perfeitamente editadas e no lugar certo, caso contrário, você corre o risco de programar de conteúdo de forma descuidada.

As ferramentas de programação de mídia social permitem aumentar a eficiência da equipe através de permissões baseadas no usuário. Isso significa que você pode escolher quem vai rever e aprovar o conteúdo antes de ser publicado.

Criar ordem dentro de uma estratégia de conteúdo social pode ser mais assustador do que parece. No entanto, o uso de aprovadores evita erros, conteúdo inoportuno e um fluxo de trabalho melhor para todos. Os estrategistas de conteúdo podem facilmente obter conteúdo aprovado antes do tempo para garantir uma programação completa.

Certifique-se de que sua empresa tenha um fluxo de trabalho adequado ao enviar, aprovar e publicar conteúdo para permitir mais governança de leads da equipe.

5. Encontre os melhores horários para postar

Depois que seu conteúdo é criado, aprovado e está pronto para ser publicado, você quer considerar os melhores momentos para alcançar seu público. Uma programação de conteúdo correta desempenha um papel importante no alcance orgânico.

Construir seu público e alcançá-lo no momento certo é uma arte própria. Vamos aos melhores horários (pesquisa generalizada, mas você também pode consultar o insight de cada rede):

  • Facebook: quinta-feira às 1 p, horas foi o dia/hora mais eficientes, mas os dados mostraram que era seguro quase qualquer dia entre 09:00 e 15:00
  • Twitter: meio-dia na quinta-feira é o dia/hora mais eficientes. No entanto, outros dias fortes caem entre segunda-feira e quinta-feira também.
  • Instagram: Os horários de postagem mais recomendados incluem 2 am, 8.am e 5 pm com os dias de pico entre segunda-feira e sexta-feira.
  • LinkedIn: Manhã e 5 pm de terça a quinta-feira são os momentos mais ótimos para postar no LinkedIn com períodos de segurança entre 8 am e 5 pm nos dias úteis.
  • Pinterest: Os horários mais recomendados são 21:00 na sexta-feira e 2:00 no sábado e as noites de todos os dias da semana.

Analise seu trabalho

Adquira o hábito de rastrear sua estratégia de conteúdo e medir o que funciona melhor em cada canal. Você começará rapidamente a ver padrões e aprenderá os hábitos de publicação que melhor alcançam seu público. Faça anotações, dimensione e analise seu conteúdo para obter melhores informações sobre a programação de mídia social.

Gostaram das dicas? Tem alguma a acrescentar? Deixe sua opinião nos comentários.

12 Dicas Para Deixar Seu Conteúdo Inovador

Seu recurso online mais importante é seu conteúdo. Atrai clientes e incentiva novos clientes a te seguir. No entanto, a criação de conteúdo atraente que envolve o seu público e os inspira a compartilhar com sua comunidade pode não ser fácil.

Se você está escrevendo para o seu blog ou para sua mídia social, as ideias abaixo ajudarão você a escrever conteúdo inovador e atraente e que seja compartilhado! Vamos começar?

  1. SEJA CLARO EM SEU VALOR E INTENÇÃO

Quer se trate de web ou marketing off-line marketing que fala sobre seu negócio, o valor que oferece e a intenção por trás não só educa potenciais clientes, mas também lhes permite tomar decisões mais rápidas.

Comunicar com clareza a intenção arma as pessoas com informações necessárias para decolar “sozinho”, movendo potenciais obstáculos de tomada de decisão fora de seu caminho. (Gary Klein)

  1. ANALISE SEUS CONCORRENTES

Ao escrever conteúdo para o seu negócio, considere analisar sobre o que seus concorrentes estão escrevendo. Você pode usar, por exemplo, o www.Alexa.com, que identifica quais sites recebem melhor tráfego dentro do seu nicho.

Visite cada um dos seus sites e analise o conteúdo compartilhado e se pergunte: O que funcionou, o que não funcionou, e como eu posso melhorar?

BuzzSumo é outra ótima maneira de verificar estatísticas e compartilhamento social.

“Se você quiser fazer sua própria análise, agora você pode fazer isso com a última versão do BuzzSumo. Eles têm parceria com a Majestic e agora mostram o número total de links de domínio ao lado do total de ações para qualquer artigo. Isso fornece uma visão mais detalhada de como o conteúdo está sendo ampliado e você pode ver para qualquer tópico ou domínio o conteúdo que gera ações, o conteúdo ganhando links e o conteúdo raro e mágico que alcança ambos”.

  1. CONHEÇA O SEU LEITOR

Entender quem é o seu leitor e que tipo de conteúdo eles acham valioso fará a criação mais fácil.

Comece criando uma personalidade do cliente. Descreva como seu leitor se parece, o que ele faz e por que eles iriam precisar de seu produto ou serviço.

  1. USE AS IMAGENS A SEU FAVOR

As imagens são uma excelente maneira de atrair leitores para o seu conteúdo. Se eles são engraçados, dramáticos ou atraentes, certifique-se que eles são consistentes com o seu negócio ou marca.

Conte sua história através de imagens adicionando designs personalizados à sua postagem no blog. Em seguida, coloque-os no Pinterest, compartilhe-os no Google+, no Facebook e no Twitter.

93% da nossa comunicação é visual e é muito importante que você entenda bem e compartilhe a mensagem apropriada com seus recursos visuais. No fluxo superlotado de mídia social e marketing de conteúdo, cada pedaço de conteúdo representa quem você é e o que você faz.

  1. CRIAR TÍTULOS ATRAENTES

Os títulos de seus artigos e postagens podem determinar se as pessoas clicam, leem e/ou compartilham.

Seja criativo e mantenha sempre o usuário final em mente. Saiba que conteúdo se conecta com seus clientes potenciais e o título chame atenção.

  1. ESTRUTURA CORRETA DO CONTEÚDO

Se você está postando em seu blog ou sites de mídia social, a estrutura adequada é fundamental. Dê uma olhada em seus últimos posts – eles eram fáceis de ler?

Em suas postagens de blog, considere o uso de listas. As listas são digitalizáveis ​​e fáceis para aqueles que se deslocam rapidamente através da Internet para analisar rapidamente o seu conteúdo.

Com seus posts de mídia social, considere mantê-los curtos, mas emocionante. Incentive a conversa fazendo uma pergunta ou oferecendo seus pensamentos em torno de um tópico específico.

  1. FORMAR CONEXÕES SIGNIFICATIVAS PARA CONSTRUIR SUA MARCA PESSOAL

À medida que você começa a criar conteúdo, lembre-se de que os relacionamentos são o núcleo para conseguir essa informação compartilhada.

Construir confiança formando conexões saudáveis ​​atrairá pessoas para você e seu conteúdo.

  1. COMPARTILHE HISTÓRIAS DE SUCESSO

Cada negócio tem uma história. Qual é a sua? Compartilhe sua história de uma maneira. As histórias conectam leitores e potenciais clientes à sua empresa. Permita que eles conheçam e se lembrem de você.

  1. MUDE!

Basta postar links para seus sites sociais rapidamente vai aborrecer seu público. Alterar e intercalar links com imagens, citações, perguntas, feedback e qualquer conteúdo adicional que agrega valor à conversa.

Pense nisso dessa maneira: se você estivesse tendo uma conversa com alguém cara a cara, você não gastaria o tempo todo promovendo você e seu produto ou serviço. Você ouve, reage e responde também. Não é diferente quando você está on-line.

  1. PLANEJE O SUCESSO

Faça a criação de conteúdo uma parte de sua estratégia de marketing diária.Construa um calendário editorial com uma lista de tópicos, ideias de artigos e posts de mídias sociais para manter seus trabalho focado e consistente.

Seja sério sobre o seu blog e use a criatividade em seu calendário editorial!

  1. COMPARTILHE CONTEÚDO INTERESSANTE

Mantenha-se atualizado sobre as últimas notícias dentro do seu nicho e compartilhe esse conteúdo em tempo hábil, oferecendo contexto ou sua opinião sobre o assunto. Como você se sentiu quando leu o post? Qual é a sua chave para levar e por que seu público deve se importar?

Contexto é tão importante quanto o conteúdo quando se trata de compartilhar em mídias sociais.

  1. CRIAR UMA LISTA DE E-MAIL

Construir uma lista de e-mails deve estar no topo de sua lista de afazeres de mídia social e estratégia de conteúdo. Use uma lista de assinantes para ficar na frente de seu público e promover sua última postagem no blog, campanha ou produto.

Conduzir assinantes para o seu conteúdo não só incentiva o aumento de leitores e tráfego, mas aumenta as ações, ficando top-of-mind.

Se você gostou deste artigo, clique no botão Compartilhar. Eu agradeço!

Sua vez! Quais são suas maneiras mais inovadoras de criar conteúdo que é compartilhado? Eu adoraria sua opinião.

 

Mídias Sociais e o Atendimento ao Cliente

Engajamento é a Alma do Negócio e você Deve Fazer isto com as Mídias Sociais. 

Outro dia uma amiga passou por uma experiência ruim com uma marca que ela usava e confiava bastante e por isso resolvi fazer este artigo. Tem muita marca por aí, de pequenas a grandes empresas, que não estão realmente preparadas para lidar com seus clientes nas redes sociais. Eu vou compartilhar um cenário fictício sobre mídia social e serviço ao cliente com você (e como eles se cruzam), mas lembre-se que isso é baseado em marcas reais e como eles interagem com seus clientes. Já falo que são cases gringos e se tiverem cases de marcas nacionais para me enviar, por favor, enviem!

Quero que você se coloque no lugar de seu cliente e pergunte a si mesmo: “Como eu me sentiria se fosse tratado desta maneira por uma marca.”

Cenário: Marca Thankful

Neste cenário, temos uma marca popular que vende um produto popular (digamos sapatos). Esta marca publica regularmente imagens e citações inspiradoras para corredores, posts relacionados a corrida e, de tempos em tempos, partilha imagens e estatísticas sobre seus lançamentos de tênis e acessórios.

E as pessoas adoram.

Corredores especialmente amam a marca e eles comentam regularmente em todos os posts, dão likes, compartilham, retweet, dão regram … Mas não é só isso, a marca tem um diferencial, comentários, eles comentam constantemente. Seus comentários são informativos, inteligentes e eles levantam questionamentos memoráveis.

De vez em quando, seus comentários não têm absolutamente nada a ver com a imagem e estão completamente relacionados ao atendimento ao cliente. Algumas vezes são problemas com os produtos e talvez eles sejam incapazes de alcançar um ser humano através de atendimento ao cliente. Talvez eles simplesmente estejam tendo problemas para fazer login em sua conta (porque essa marca, que realmente não pensou em toda a experiência do cliente conectado , não está usando o login social , algo que 73% dos clientes preferem os formulários de registro tradicionais).

(Na verdade, para ir em uma pequena tangente, login social não só melhora a experiência do cliente, mas também pode ser conectado a clientes gastar mais tempo em seu site.)

Mas, não importa o que está acontecendo, não importa como as pessoas estão respondendo a esta marca ou comentando, a marca faz a mesma coisa, mais e mais. Eles têm um único comentário – e o usam generosamente. Não importa o que as pessoas dizem nas mídias sociais, a marca diz: “Obrigado”. É como se eles tivessem um modelo (e provavelmente o fazem). Ou talvez dois ou três.

E quando eles usam esses modelos (e apenas os modelos), é irritante.

Parece um pouco algo como isto:

“Eu amo seus sapatos!” – Obrigado por comentar

“Meus sapatos vieram sem palmilhas e eu não posso obter um hold de atendimento ao cliente, vocês podem me ajudar? “- Obrigada por comentar

“Vocês acham que correr de longa distância é melhor do que caminhar?? – Obrigado por comentar

À medida que fucei os comentários, vi:

A marca responde aos cientes, mas não se conecta com eles (quem sabe dar aos clientes um cupom de desconto especial em determinada rede)

Um cliente que provavelmente devolverá seus sapatos e gritar para todos que foi muito difícil encontrar alguém que se preocupou com o produto danificado que foi enviado e que quer o dinheiro de volta e não comprará mais sapatos por lá.

Uma oportunidade perdida de criar algum conteúdo realmente envolvente (sob a forma de um comentário) que as pessoas vão adorar, a ponto de o comentário se tornar uma forma de conteúdo valioso.

Por não tentar mesmo pensar para fora da caixa, esta marca está não somente arruinando a experiência do seu cliente como está fazendo papel de bobo ou robô. (trocadilho péssimo)

Agora, em sua defesa, é uma jogada ousada dar às equipes de suporte ao cliente a autoridade para tomar decisões e responder com comentários que agreguem valor à conversa.

Eu entendo por que as marcas estão com medo de fazer isso, mas se você pode “educar” sua equipe de suporte ao cliente para fazer isto (e você se sentir confortável também), a sua marca estará infinitamente melhor do que a concorrência.E a experiência do cliente irá melhorar exponencialmente.

Mídias Sociais e Experiência do Cliente – Seus Comentários São Conteúdo, assim como um Blog Post, e Eles Precisam Ser Bem Pensados

Os comentários precisam agregar valor – eles precisam responder ao cliente adequadamente. Se seus comentários são um “lixo”, diminui, significativamente a experiência do cliente. As pessoas hoje em dia esperam que você responda a elas nas mídias sociais com precisão e claro, conhecimento de que você sabe do que está falando. Seu cliente espera que você se conecte com eles. 53% das pessoas nesta pesquisa esperam uma resposta no Twitter, para qualquer coisa que tweet sobre a marca, dentro de uma hora. E nessa mesma pesquisa, verificou-se que mais de 70% dos usuários esperavam um período de resposta e isso não acaba nas mídias sociais. 52% dos seus clientes esperam que você responda às suas opiniões.

Tudo isso faz parte de uma experiência com/sobre o cliente conectado. Os seres humanos (você sabe, seus clientes) esperam poder se conectar a marcas através das mídias sociais (e em uma variedade de outros contextos através de outras plataformas digitais) de uma forma que simplesmente não era possível há 50 anos.

E, acredite ou não, seus comentários sobre mídias sociais (ou sua falta) desempenham um papel integral em uma experiência de cliente conectado.

Todas as estratégias podem facilmente sair dos eixos , mas e uma das principais desconexões muitas vezes reside entre como uma marca atua em todos os diferentes canais onde se conecta com o cliente (e-mail marketing, na loja ou com técnicos, tentativas de devolução de produtos, interações no site) e como a marca reage aos comentários nas mídias sociais.

Se você está olhando para as mídias sociais como uma plataforma para mostrar que você está ali, sinto te informar, você está fazendo isso errado.

Um dos erros mais comuns que as marcas fazem atualmente ainda é enxergá-las como um megafone gigante, que não é o intuito, na verdade (e espero que isso não te assuste), social media é para ser social!

Eu sei, chocante.

Imagine que você está em uma sala cheia de pessoas. Ali estão algumas pessoas que você gostaria muito de conhecer, para se conectar, talvez fazer negócios com elas. Todos estão andando, falando um com o outro, divertindo-se, tomando alguns drinks, comendo uns petiscos e fazendo geralmente o trabalho de network de leve. E está funcionando. Cartões de visita estão sendo trocados, reuniões sendo agendadas e algumas pessoas estão apenas fazendo novos amigos, e isso é bom também (que poderia levar a negócios futuros, ou poderia apenas levar a ambas as marcas recebendo reconhecimento pelo outro).

E então, a porta para esta sala de mentira é aberta e passa um ser humaninho com um megafone gigante. Todo mundo para para olhar. Esse ser humano não se mexe, não fala nada com ninguém, não come e também não bebe. Lentamente, esse ser humano pega o megafone e começa a gritar, o mais alto que ele consegue. Ele grita sobre seus produtos e bombardeia a todos com informações sobre seus serviços. As pessoas que estavam ali se divertindo demonstram imediatamente mal estar, tampam os ouvidos e ficam se olhando com olhares de reprovação, mas ele não desconfia e continua.

Algumas pessoas vão até ela e realmente fazem perguntas, oferecem cartões de visitas e o ser humaninho simplesmente ignora a todos e continua com seu megafone aos berros sobre produtos e serviços sem realmente prestar atenção à sua volta. Alguns corajosos ainda tentam saber detalhes das ofertas, mas são ignorados também.

Finalmente, ele termina seu surto verbal e sai da sala. Ele não se conectou com uma única pessoa lá e pior, alienou muitas pessoas que já o conheciam e que poderiam ser futuros parceiros.

E por ali, em um canto da sala, tem um grupo de pessoas fazendo notas mentais de nunca, nunca fazer negócios com aquele ser humaninho.

Este é o cenário 2, e é, em muitas maneiras, pior do que o cenário 1- O cartaz prolífico contudo silencioso

Esta é a pessoa que inunda as mídias sociais com o mesmo punhado de posts, repetidamente, e ignora todos os comentários completamente. Esta é a marca que vê as mídias sociais como um megafone, que é completamente relutante em ver seus clientes como pessoas, que não vai se preocupar em conectar com outras marcas ou seus clientes, para tentar realmente ser social nas mídias sociais.

Em vez disso, eles vão olhar para as mídias sociais como uma plataforma de publicidade, e experiência do cliente será 1 de 2 coisas:

Seus clientes te seguirão por pouco tempo, pois perceberão que a marca não se importa com eles e que a marca posta mas mesmas coisas e não valem a pena segui-los.

Seus clientes ficam tão irritados por serem ignorados que tem vontade de bloquear a marca, nunca comprar nada deles novamente e ainda falar para os amigos fazer o mesmo.

A experiência do cliente é fraca e a marca parece mais fraca ainda.

Uma experiência ruim do cliente reverbera no futuro e afeta muitos clientes potenciais – isso é algo que você está disposto a arriscar?

78% dos clientes nesta pesquisa deixaram de acreditar, comprar e seguir a marca devido à experiência ruim do cliente (eu posso sentir sua dor – eu também senti). Uma outra fonte de pesquisa concluiu que uma má experiência do serviço de atenção ao cliente é compartilhada duas vezes tão frequentemente quanto uma experiência boa. Isso se estende às mídias sociais. A mídia social e o atendimento ao cliente não são apenas conectados – eles estão entrelaçados.

Na verdade, você poderia dizer que a mídia social e a experiência do cliente são realmente moldados tão firmemente juntos que é difícil separar os dois. Se você não está ciente de que na mídia social, as pessoas vão notar. E isso afetará negativamente a sua marca.

Seus comentários são partes eficazes do conteúdo – não negligencie seu poder

Se você não está se envolvendo com seus clientes, se você está apenas explodindo informações sobre a mídia social, você está perdendo. E se seus produtos ou serviços têm algum tipo de problema, você vai acabar parecendo o desastre de mídia social.

Quero que você pense nas mídias sociais de forma diferente, que considere isso como uma empresa primariamente social, que veja comentários, tanto para seus clientes quanto nas páginas dos outros, olhe menos para as postagem e para o engajamento como a coisa mais importante que você pode ter quando se trata de mídia social.

Pensar em ser social como o ponto de mídia social, seja com seus clientes ou com outras marcas, e para realmente ouvir, para pensar os seus comentários cuidadosamente, para responder rapidamente e para ajudar tanto quanto possível.

Se você fizer só isso TUDO, você terá sucesso.

Marketing de Conteúdo e a Tecnologia

A menos que você seja um extraterrestre, você sabe que o marketing de conteúdo é agora uma força predominante no mundo dos negócios.

Por quê? Porque é o único método de marketing que é completamente focado em satisfazer as necessidades, muitas vezes complexas e rápidas mudanças dos consumidores modernos.

É marketing que não parece ser marketing e, como tal puxa as pessoas e envolve-as em um relacionamento com uma marca.

É estratégico, impactante, não intrusivo e fornece valor sustentável aos clientes.

O marketing de conteúdo é incrivelmente importante para o seu negócio e, tomando uma abordagem sistemática e consistente, você será capaz de:

  • Construir um público envolvido
  • Melhorar a sua reputação de marca
  • Aumentar leads e vendas

No entanto, você não vai chegar longe sem ter um bom, ou melhor, excelente plano de marketing de conteúdo. E a maioria de nós luta com a documentação de um plano, e ainda mais com a sua execução. A parte de execução é difícil porque gerenciar o processo de marketing de conteúdo pode ser extremamente demorado.

Quando se trata de criação de conteúdo memorável, passamos muito tempo no planejamento e pesquisa, por exemplo, busca de palavras-chave relevantes, escolher os tópicos certos, etc.

…. E o trabalho não para quando o conteúdo é “terminado” – é aí que ele realmente começa. Se você trabalha com conteúdo e tem resultado com ele, você sabe que o conteúdo não pode ser bem sucedido por si só, a menos que você trabalhe arduamente nele.

Se você criar um grande conteúdo e ninguém lê, ainda é grande conteúdo? É aqui que atividades como distribuição de conteúdo e promoção de conteúdo fazem toda a diferença, e ambas envolvem um monte de tarefas manuais.

Se eu quiser publicar um conteúdo consistente e ter uma boa performance sem gastar todo o meu tempo administrando o processo, preciso de algo que facilite a minha vida. Este algo que preciso nada mais é do que ferramentas de marketing de conteúdo, e aqui vou sugerir algumas.

Ferramentas para encontrar ideias / tópicos de conteúdo

Feedly é provavelmente a ferramenta mais popular para agregar feeds RSS. Você pode adicionar blogs e sites que são mais relevantes em seu nicho e criar um feed de conteúdo para ajudá-lo a obter inspiração e encontrar grandes ideias para seu próprio conteúdo. Feedly também permite que você organize seus feeds em categorias, por exemplo, blogs de mídia social, blogs de tecnologia de marketing, etc.

Quora Como uma plataforma social de perguntas e respostas, Quora é um recurso realmente bom para encontrar tópicos de tendências. Você pode procurar as perguntas mais frequentes sobre o seu nicho ou tipo de produto e usar esse conhecimento para informar o seu planejamento de conteúdo.

Reddit Esta é uma das melhores plataformas para encontrar tópicos de tendências de toda a Web e pode servir como uma grande fonte de inspiração para tópicos de conteúdo, bem como tipos e formatos de conteúdo que você pode produzir.

BuzzSumo permite que você analise o conteúdo que executa melhor para qualquer tópico ou concorrente. É uma ótima ferramenta para ajudá-lo a identificar influenciadores relevantes para suas campanhas de divulgação, e também é perfeito para curadoria de conteúdo.

Scoop.it Esta ferramenta de restauração de conteúdo permite criar quadros em torno de tópicos que te interessam e, em seguida, preenchê-los com conteúdo relacionado. Você também pode seguir os conselhos de outras pessoas para encontrar ideias de conteúdo.

Pesquisa por palavra-chave
KWFinder é uma ferramenta de pesquisa de palavras-chave que você pode usar para identificar as melhores palavras-chave para segmentar para seu conteúdo. É uma ótima alternativa ao Google Planner de palavras-chave, pois fornece volumes de pesquisa mensais exatas e também outras métricas úteis, como volume de pesquisa, CPC e nível de dificuldade.

SEMrush é outra ferramenta muito útil de pesquisa de palavras-chave. Você pode entrar no endereço do site do concorrente e descobrir todas as principais palavras-chave que eles estão no ranking do Google.

Ferramentas do Calendário Editorial

Edit Flow é um plugin gratuito do WordPress que permite gerenciar o conteúdo de forma eficaz no WP e é particularmente útil se você tem uma equipe editorial maior e precisa colaborar com eles na criação de conteúdo.

CoSchedule Se você precisa de uma ferramenta que oferece um conjunto abrangente de recursos para organizar todo o seu plano de marketing de conteúdo em um só lugar, sua ferramenta é definitivamente esta. Você pode usá-la para criar um calendário editorial para o seu blog WordPress, gerenciar uma equipe de escritores e colaborar no conteúdo.

Kapost é uma plataforma de marketing de conteúdo que ajuda você a gerenciar todo o processo editorial e de criação de conteúdo. Sua capacidade abrange desde a análise de conteúdo até a publicação de mídia social, o que faz da Kapost mais do que uma simples ferramenta de calendário de conteúdo. No entanto, é bastante cara e, portanto, perfeita para grandes empresas e marcas que produzem regularmente MUITO conteúdo.

Ferramentas de Escrita

Evernote Esta ferramenta é muito popular entre os escritores de conteúdo, eu uso muito para organizar pesquisas e escrever notas. A ferramenta está disponível em quase todas as plataformas, facilitando a coleta e organização das minhas notas em qualquer dispositivo que eu acesse. que você possa coletar e organizar suas anotações em todos os seus dispositivos.

Google Docs O processador de texto on-line do Google é uma ferramenta gratuita que você pode usar para escrever conteúdo, controlar alterações e colaborar com outros escritores e editores.

(Estou a procura de outras ferramentas de Escrita para testar, vocês me indicam alguma?)

Ferramentas de Criação de Conteúdo

Visual.ly é perfeita se você quer criar infográficos atrativos e isto faz parte do seu plano de marketing de conteúdo. Eles têm um enorme mercado de designers e um portfólio impressionante de projetos que você pode explorar e inspirar para criar seu conteúdo.

Pixlr é um editor de imagem on-line gratuito que vem com um conjunto de ferramentas de design e pintura para ajudar você a criar conteúdo personalizado e otimizá-lo para vários dispositivos.

Canva é uma ótima ferramenta que você pode usar para criar imagens atraentes de maneira rápida, para seu site, posts e mídias sociais. Confesso que é meu preferido, pois é fácil de manusear, mesmo para quem não é designer (no caso eu) e também tem muitos modelos que você pode se inspirar ou até fazer suas criações em cima dos modelos deles. A ferramenta oferece uma variedade de modelos pré-fabricados, tamanhos de imagem personalizados para cada plataforma de mídia social e muito mais.

Meme Generator. Se você está procurando adicionar algum humor ao seu mix de conteúdo, tente usar memes! Memes são uma ótima maneira de entreter e envolver seu público nas mídias sociais, e você pode criá-las facilmente com um dos muitos geradores de meme disponíveis.

GoAnimate . Se você não tem orçamento para contratar uma agência criativa para criar vídeos animados, use GoAnimate! A plataforma on-line permite que você crie vídeo por cena adicionando personagens, cenas e adereços com um editor de arrastar e soltar fácil de usar.

Ferramentas para Promoção e Distribuição de Conteúdo

Agorapulse. Esta ferramenta de distribuição de conteúdo e gerenciamento de redes sociais permite planejar, agendar e publicar todo o conteúdo em todos os principais canais de mídia social. Ele agiliza o processo de distribuição de conteúdo para a mídia social, conectando todos os seus perfis sociais em uma plataforma. Ele também oferece relatório para que você possa facilmente determinar o melhor momento para postar para obter o máximo de engajamento de seu público.

MailChimp . E-mail é um canal muito eficaz para a promoção de conteúdo e um que você deve definitivamente usar. Quando se trata de plataformas de email marketing, MailChimp é provavelmente a ferramenta mais fácil para você promover o seu conteúdo em sua lista de e-mail.

Ferramenta de promoção paga

Outbrain . Esta plataforma de descoberta de conteúdo recomenda o seu conteúdo para leitores de outros editores em mais de 55 países ao redor do mundo e é ótimo para amplificação de conteúdo. Outbrain opera em um modelo de custo por clique, então você paga por exibições em cada parte do conteúdo que você promove, se é um vídeo, artigo ou um infográfico.

Ferramenta de Curadoria de Conteúdo

Scoop.it é uma plataforma de conteúdo que permite que você encontre e compartilhe facilmente conteúdos exclusivos e relevantes para suas redes sociais, sites ou blogs. A ferramenta permite que você encontre conteúdo baseado em palavras-chave específicas.

Enfim…

As ferramentas de marketing de conteúdo que eu sugeri neste artigo são apenas algumas das centenas disponíveis. Podemos esperar para ver esta área de tecnologia de marketing florescer no futuro. Com um plano bem documentado e as ferramentas certas para apoiá-lo, você pode construir uma máquina de marketing de conteúdo que ajudará ampliar seu negócio on-line.

Eu deixei alguma ferramenta “bacanuda” para trás? Você quer me indicar alguma outra ferramenta para eu testar? Me mande e-mail ou deixe aqui nos comentários. Vocês sabem que eu amo novidades e também adoro as ideias de vocês!!

Mídias Sociais: Perguntas Frequentes (e respostas)

Já começo falando que, se você é uma pessoa com experiência no quesito mídias sociais, pode ler este artigo também, pois sei que você vai ter algo a acrescentar e eu terei o maior prazer em trocar “figurinhas” com você. Mas se você está começando a hora, a leitura é realmente obrigatória, fazer as perguntas certas pode melhorar suas chances de sucesso e ajudá-lo a evitar erros que vão te custar muito. Para ajudar a guiá-lo na direção certa, fiz uma lista de perguntas comuns sobre mídias sociais.

Eu tenho que estar em TODAS as redes sociais?

Resposta: Não.

Aqui está o porquê: Tão tentador como é aumentar a sua visibilidade saltando de rede social para rede social, mas no final, fica complicado administrar tudo e fazer um trabalho bem feito. Seja estratégico e pergunte-se: onde meu público está?

Se eles não estão no Pinterest, não há necessidade de gastar um monte de tempo e energia lá. Lei o Guia Definitivo de Mídias Sociais e escolha as melhores redes para seu negócio. (ou a melhor rede, às vezes uma rede bem trabalhada é melhor do que várias redes com conteúdos irrelevantes)

Outra boa pergunta que você pode se fazer é qual valor você pode trazer para a rede. Se você não puder criar conteúdo que as pessoas na rede desejam ver, coloque seus esforços em outro lugar.

Por exemplo, se você tiver tempo e recursos para fazer vídeos excelentes, então você definitivamente deve ter uma presença no YouTube para que você possa compartilhar esses vídeos nas redes que seu público mais gosta. Se você não tem tempo e nem grana para investir na produção de vídeo, nem pense no YouTube e mais, não se sinta culpado por não estar lá.

Lembre-se, você não tem que assumir tudo de uma vez. Comece com um ou dois perfis. Se você vê que está dando certo e tem tempo para expandir, então lentamente adicione outras redes, desde que sejam relevantes.

O uso das mídias sociais precisa ser consistente?

Resposta: Sim.

Não só será mais fácil para você promover suas mídias se forem consistentes, mas também será mais fácil para os fãs encontrarem e rotularem você. Quando os nomes de usuário são diferentes em cada rede, ele pode ficar confuso. Se você tweeta uma imagem no Instagram, mas você tem dois nomes de usuário diferentes, complica as coisas. Inevitavelmente, alguém marcará o seu nome do Twitter no Instagram ou o seu nome do Instagram no Twitter e você vai perder oportunidades de engajamento.

Hoje não são só os nomes de domínio que importam; Os nomes de usuários são apenas, se não mais, valiosos em termos de imóveis digitais. Use sites como Knowem para te dizer se o seu nome de usuário (desejado) está disponível em várias redes.

Knowem

Se sua primeira escolha não estiver disponível, não se desespere. Seja criativo. E tudo bem se seus nomes de usuário de mídia social forem ligeiramente diferentes do seu URL. O que importa mesmo é seu nome ser consistente em todas as redes.

Dica: Evite adicionar números, caracteres, underscores ou frases que não têm nada a ver com o seu negócio. Mantenha seus nomes de usuário o mais simples possível.

Que tipo de conteúdo devo compartilhar?

Resposta: O tipo de conteúdo que seu público quer ver.

Tudo se resume a conhecer o seu cliente ideal. Se você tiver uma sólida compreensão de seu estilo de vida, desejos e pontos fracos, será muito mais fácil criar ou encontrar conteúdo relevante, que eles provavelmente apreciarão e compartilharão.

Além disso, comece a seguir influenciadores em sua indústria que criam conteúdo excelente e compartilhe. Ou você pode usá-lo como inspiração para escrever em seu próprio blog em suas mídias. Você também pode procurar hashtags relevantes ou verificar o que é tendência no Twitter e Instagram para entender o que as pessoas estão falando agora, em seguida, participe destas conversas.

Criação e busca de ideias é a parte mais difícil, então deixe seu público fazer isto por você. Fale com seus seguidores ou clientes e pergunte o que eles gostariam de ver. Você também pode pedir a seus funcionários para contribuir um blog post por mês. Quando você divide o trabalho, tudo fica menos estressante e mais pensativo.

Quantas vezes devo postar?

Resposta: Depende.

Aqui está o porquê: Sua frequência de postagem depende de seus recursos e público, mas lembre-se: nunca sacrifique a qualidade pela quantidade.

Melhor não postar do que colocar um conteúdo por colocar, entende? Por outro lado, melhor não ter uma mídia social do que tê-la e não alimentá-la com uma frequência mínima. Se isso significa que você só pode postar no Facebook três vezes por semana, não tem problema, mas garanta que estas três publicações tenham conteúdo simplesmente sensacional. Basta encontrar uma agenda consistente e que você pode manter.

Se você está lutando para publicar em uma base consistente, você sempre pode reorientar o conteúdo. Por exemplo, se você fez um vídeo do YouTube, pegue segmentos de 30 segundos e publique-os no Instagram. As postagens antigas do podem ser Retweetadas com novas frases e imagens.

Na verdade, você pode definir uma estratégia em que cada post do blog é compartilhado em todas as redes no primeiro dia, uma repetição no Twitter no terceiro dia, uma repetição no Facebook no dia oito e assim por diante.

Se você compartilhar o mesmo conteúdo em redes, cada postagem deve ser formulada de forma diferente.Você terá que controlar que tipo de conteúdo e formato faz melhor em cada rede usando software de análise de mídia social. Anote isto em um postite e olhe antes de publicar em cada plataforma.

Qual é a melhor hora para postar?

Resposta: Depende.

Aqui está o porquê: Na verdade, de tempos e tempos aparecem pesquisas com estes dados, mas a realidade é que não há melhor momento para publicar. Tudo depende da rede que você está usando e quando seu público está mais ativo.

Vai levar um pouco de tentativa e erro para diminuir o tempo. Uma boa ideia é usar o Sprout para programar seu conteúdo para ser compartilhado em diferentes horários e dias da semana.

Programação de mídia social sprout social

Em seguida, digite em sua análise para ver quais posts estão recebendo mais engajamento para ter uma ideia de quando o melhor momento para postar em cada rede específica. (Todas as redes também tem o insights que são gratuitos, USE-O!. O relatório não vem tão “mastigado”, mas você consegue ver os melhores horários com facilidade)

Relatório social enviado mensagens sprout

Como faço para obter mais seguidores?

Resposta: Dando às pessoas uma razão para segui-lo.

Independentemente de qual rede você está falando, é a qualidade e não quantidade de seguidores que importa. Entenda, não adianta você ter mil seguidores se eles não interagem com seu conteúdo, prefira 100 que reajam às suas publicações, curtam e compartilhem. Você precisa de seguidores que realmente se envolvem e não sejam apenas número em sua página.

Desde que as pessoas são bombardeadas com conteúdo em vários lugares, você tem que dar a eles uma GRANDE razão para que eles te sigam. Você não está apenas pedindo para que eles te sigam, está pedindo por sua atenção, que é um recurso limitado. Por que eles devem dar a sua atenção para você em vez de outra pessoa?

Há muitas maneiras de ganhar sua atenção. Por exemplo, conteúdo exclusivo, descontos diferenciados, tudo que qualquer fã não ache em outro lugar. Você também pode compartilhar notícias e eventos exclusivos da indústria. Esta tática funciona particularmente bem no Twitter porque 86% dos usuários usam para obter notícias.

Outra tática popular é compartilhar cupons, ofertas e brindes exclusivamente para os seguidores de mídia social.

Além disso tudo que falei acima, o uso correto das hashtags (especialmente no Instagram) e potencialmente criação de hashtag em parceria com influenciadores para campanhas de co-marketing ajuda a expandir seu alcance e é uma ótima maneira de envolver com seus seguidores. Além disso, Lembre-se que a mídia social é uma conversa, não uma transmissão. Responda aos seus seguidores e interaja com eles. Vá para onde eles estăo. Envolva-se.

A mídia social afeta SEO?

Resposta: Sim, mas indiretamente.

Um equívoco comum sobre mídia social e SEO é que a obtenção de seu conteúdo compartilhado em mídias sociais vai ajudar a melhorar o seu ranking. O Google tem declarou que não conta ações sociais em seu algoritmo. Os compartilhamentos sociais são fáceis de manipular, então eles não são um tipo de métrica confiável para decidir o valor de uma parte do conteúdo.

No entanto, a mídia social ainda pode ajudar seus esforços de SEO indiretamente. Você pode usar a mídia social para a rede com influenciadores como blogueiros, editores e jornalistas. Estas são todas as pessoas que potencialmente podem linkar seu site em seu próprio conteúdo, o que pode ajudar o seu SEO.

Usando as mídias sociais para construir relacionamentos com as pessoas certas, você pode até mesmo convidar uma blogger para escrever um artigo em seu blog ou entrevistá-lo. Use a criatividade e verá uma gama de oportunidades.

Mas seja cauteloso e não vire uma rede de spam, as pessoas não gostam disso. Você não quer vir para a direita para fora do portão implorando que as pessoas liguem ao seu conteúdo. Em vez disso, construa relacionamento organicamente por dar um like aqui, um compartilhamento ali e responder ao seu conteúdo. Construa uma relação primeiro e depois crie uma oportunidade de trabalhar em conjunto.

Devo me conectar com todos?

Resposta: Não.

Você nem sempre tem que “seguir” no Twitter ou Instagram ou aceitar cada solicitação do LinkedIn. Por quê? Porque você está curando uma rede. Nada diz tanto sobre sua marca como quem segue você. É correto e aprovado ser seletivo sobre quem você segue.

Aqui estão algumas ideias sobre quem seguir:

  • Usuários que você está realmente interessado em ouvir
  • Influenciadores que você está tentando construir um relacionamento
  • Clientes fieis
  • Pessoas que frequentemente se envolvem com você em mídias sociais ou compartilham seu conteúdo

A desvantagem de seguir um bando de pessoas é que torna difícil classificar através de seu feed e ver as mensagens mais importantes como menções de sua marca ou produtos. Uma boa solução é usar uma ferramenta de gerenciamento de mídia social para gerenciar suas mensagens de entrada.

Também tenha em mente que você não tem que seguir as pessoas para se envolver com eles.

Devo pagar por publicidade nas mídias sociais?

Resposta: Provavelmente.

Em uma plataforma como o Facebook, você tem que “pagar ser visto” na maioria dos casos. Somente em 2016, o orgânico caiu 52% para os editores. E com o Twitter e Instagram seguindo os passos do algorítimo do Facebook, está cada vez mais difícil ter um conteúdo visto organicamente.

Se você decide ou não tentar a propaganda dos meios sociais dependerá principalmente do seu orçamento. Se você pode dar ao luxo de gastar algum dinheiro para promover o conteúdo em mídias sociais, pode valer a pena experimentar. Decida o quanto você está disposto ou capaz de gastar em primeiro lugar, em seguida, crie uma estratégia de publicidade dentro dele.

Facebook é, de longe, a plataforma de marketing mais popular para publicidade em mídias sociais. Em uma pesquisa concluiu-se que 84% dos entrevistados disseram que usam anúncios do Facebook. No entanto, Twitter, LinkedIn, Instagram (via Facebook), YouTube e outras redes oferecem publicidade também. Sinta-se livre para testar diferentes plataformas para ver qual funciona melhor para você.

Além de obter engajamento em seus posts e aumentar sua contagem de seguidores, você também pode usar a publicidade de mídia social para gerar leads, crescer sua lista de e-mail ou obter mais visibilidade em seu pedaço de conteúdo.

Preciso de um calendário editorial?

Resposta: Sim, sim e SIM!

Se você deixar de planejar, você planeja falhar. Um calendário editorial é um passo necessário para trazer sua estratégia à vida. Ele pode ajudá-lo a manter-se no caminho e consistente sobre o que postar em cada rede. Ele também pode ajudá-lo a criar conteúdo de qualidade planejando com antecedência. Quando você vê o mês inteiro em todas as redes em um só lugar, é mais fácil editar a cópia para obter força e consistência.

Além disso, quando você está planejando com antecedência, você tem uma melhor chance de maximizar o seu impacto nas mídias sociais. Você terá tempo para planejar uma estratégia de distribuição para qualquer conteúdo futuro, em vez de fazer tudo como acontece. Por exemplo, se você sabe que vai lançar um concurso ou venda no final do mês, procure os influenciadores com antecedência e ganhe algum impulso.

Calendário editorial de mídia social

Eu estou em um nicho “chato”, eu ainda preciso de mídias sociais?

Resposta: Sim.

Aqui está o porquê: A mídia social não é apenas reservada para atletas, marcas de moda e varejistas. Quando se trata de marketing, seu objetivo é chegar ao seu público-alvo onde eles estão pagando a maior atenção. 78% das pessoas têm pelo menos um perfil de mídia social, por isso há uma forte chance de seus clientes-alvo estarem em pelo menos uma das principais redes.

Lembre-se, a mídia social não é uma plataforma de publicidade para você gritar sua mensagem o mais alto possível. Em vez disso, use-a como uma plataforma para educar e entreter seu público.

É certo compartilhar conteúdo promocional?

Resposta: Sim, mas não exagere.

Há uma linha tênue entre usar as mídias sociais para promover sua marca e spam. Se todos os outros Tweets de sua empresa estão promovendo seus produtos e serviços, você corre o risco de perder o seu público. 46% das pessoas estão dispostas a deixar de seguir uma marca pro causa do excesso de promoções.

Ações que fazem com que as pessoas sigam uma marca em mídias sociais

Não há nenhuma proporção mágica de conteúdo promocional para não-promocionais de mídia social que você deve compartilhar. Você terá que encontrar a cadência certa para o seu público. Para estar no lado seguro, o objetivo de compartilhar muito mais conteúdo não promocional do que promocional.

Preciso de uma ferramenta de gerenciamento de mídia social?

Resposta: Sim.

Aplicativos de mídia social nativos são ótimos para uso pessoal. Na verdade, é o que eles foram feitos para isto, mas como um negócio, suas necessidades são um pouco diferentes. Muitas vezes você precisa agendar o conteúdo com antecedência, analise em profundidade para medir o desempenho e trabalhar em equipe. As plataformas de mídia social nativas não foram construídas para isso, que é a razão pela qual as ferramentas de gerenciamento de mídia social existem.

Se a mídia social é uma parte importante do seu negócio (definitivamente deve ser), então você precisa das ferramentas certas para trabalhar de forma mais eficiente e eficaz.

Devo terceirizar meu Marketing de Mídias Sociais?

Resposta: Depende.

Para marcas que não têm os recursos para montar campanhas de mídia social a partir do zero, trabalhar com terceirizados, sejam agências ou freelas, pode ser uma jogada inteligente. Geralmente eles já entendem como funciona cada rede e muitas vezes pode ajudá-lo a ser muito mais eficaz.

Por outro lado, você não quer ter uma abordagem completamente hands-off. É por isso que muitas vezes as agências de mídia social preferem trabalhar com clientes, em vez de assumir completamente tudo. Ninguém sabe a sua marca como você, então você deve sempre ter uma mão em suas mídias sociais. Mas não há nada de errado em obter ajuda de especialistas. O ideal seria ter um especialista dentro da sua empresa, o que facilitaria muito o trabalho de um terceirizado ou de uma agência. O especialista estudaria seu negócio, saber dos detalhes e estar ali para ajudar com o engajamento e aprovação e perto de você, para tirar duvidas e esclarecer tanto os terceirizados quanto seu público.

Esqueci de alguma pergunta? Você quer saber algo que não falei aqui? Deixe nos comentários. Lembre-se, não existe pergunta estúpida, então pergunte!

Acrônimos Profissionais de Mídia Social

O artigo de hoje é meio bobinho para quem já está na área, mas totalmente necessário para quem está começando ou é um empreendedor cuidando das redes do seu negócio/marca. Nas mídias sociais, as siglas são comuns e úteis. O verdadeiro desafio é ser capaz de reconhecer a ladainha de consoantes, vogais e algarismos incompatíveis que compõem essas siglas.

Compreensão acrônimos de mídia social desempenha um papel importante na sua vida de “escritor”. Você também vai encontrá-las sendo amplamente utilizadas em reuniões de negócios, vendas e relatórios de marketing e, mais notavelmente, por qualquer pessoa que trabalha em TI. Antes de ficar muito frustrado por todos os ICYMIs e IDKs, dê uma olhada nesta lista.

Mídias Sociais 

Para começar, é uma boa idéia familiarizar-se com as siglas que identificam redes de mídia social específicas. Quando vistos em contexto, eles são muito intuitivos.

FB significa Facebook.

IG significa Instagram.

O G + significa Google+.

YT significa YouTube.

LI significa LinkedIn.

Siglas específicas para o Twitter

Há uma série de siglas usadas regularmente no Twitter que são úteis para saber. Entre eles estão:

RT = “Retweet”, que é quando você publica o Tweet de outro usuário em seu próprio feed do Twitter.

DM = “Mensagem Direta”, ou uma mensagem que é apenas visível para os indivíduos envolvidos na conversa.

MT = “Modified Tweet”, e é usado como cortesia para informar sobre as alterações feitas ao retweeting. Por exemplo, o tweet poderia ter sido encurtado para atender o limite de caracteres ou para remover a alça do cartaz.

Acrônimos de Social Media

As empresas sempre implementaram sua linguagem única, fortemente baseada em siglas. A maioria não é especificamente “sigla de mídia social.”, mas também são usadas nas mesmas.

B2B = “Business to Business”, referindo-se a empresas que comercializam para outras empresas.

B2C = “Business to Consumer”, descrevendo uma empresa que comercializa para os indivíduos.

CTA = “Chamada à Ação” – uma declaração que incentiva o leitor a agir. Geralmente denota uma ação específica que se relaciona com maximizar a presença de uma empresa de mídia social, ou facilitar uma decisão de compra.

CMS = “Content Management System” – uma ferramenta usada para editar, agendar e publicar qualquer tipo de material escrito on-line.

CPC = “Custo por clique”, que define a quantidade de dinheiro que os anunciantes pagam por cada pessoa que clica para exibir um anúncio ou outro pedaço de conteúdo online.

PPC significa “Pay per Click” e significa a mesma coisa que CPC.

CPM = “Custo por Mil”, o que é complicado porque o “M” é para o latim “mil”, que significa mil.

CTR = “Taxa de cliques” e é um determinado tipo de taxa de conversão onde a ação específica é clicar em um link.

UGC = “Conteúdo Gerado pelo Usuário”, que abrange todo e qualquer conteúdo visual ou escrito criado em uma plataforma específica. Isso inclui comentários, postagens de blog, fotos, videoclipes e muito mais.

PV = “Exibições de página”, que é autoexplicativo.

ROI = “Return on Investment”, medindo o dinheiro feito como resultado do que foi gasto para fazê-lo.

Acrônimos Técnicos

Enquanto alguns desses não aparecem freqeentemente em mídias sociais, mas é importante que saibamos. Esses acrônimos cobrem uma ampla gama de termos de negócios que podem surgir facilmente em uma reunião ou bate-papo, especialmente com a equipe de TI da sua empresa ou em um ticket de suporte. Em qualquer caso, você precisa entendê-los, então aqui estão eles:

RSS = “Really Simple Syndication”, descrevendo um feed de todo o conteúdo publicado a partir de uma fonte específica, principalmente um blog.

HTML = “Hypertext Markup Language”. Esta é a linguagem de codificação fundamental utilizada no desenvolvimento de páginas web.

ISP = “Internet Service Provider”, a empresa que alimenta o seu serviço de Internet e do seu empregador.

SEO = “Search Engine Optimization”, um tipo de Search Engine Marketing (SEM). Ele governa o conteúdo escrito que é estrategicamente desenvolvido para ajudar um page rank mais alto em uma busca por critérios específicos.

UI = “User Interface”, o visor que uma pessoa usa para manipular dados em um programa. Os botões na tela do telefone celular são exemplos comuns de interface do usuário.

TOS = “Termos de Serviço”. Quase todos os sites e entidades on-line possuem um. Ele designa um conjunto de regras que os indivíduos devem concordar, se eles querem usar o site ou serviço.

UX = “Experiência do usuário”, referindo-se à reação de alguém e resposta à utilização de ferramentas on-line.

Acrônimos conversacionais divertidos

Facilmente o maior e mais diversificado conjunto de acrônimos on-line, esta é uma lista que cresce continuamente. Os que estão nesta lista são encontrados mais freqüentemente em posts públicos ou em comentários em posts de conteúdo social. Claro que existe muito mais por aí, escolhi os “mais comuns”. Alguns também se tornaram populares hashtags usados ​​por marcas e indivíduos para criar um buzz, principalmente na gringa, mas é claro que aqui no Brasil usamos vários deles, o que acho errado, but…

BFF = “Melhores Amigos para sempre.”

BTW = “A propósito”.

AFAIK = “Tanto quanto eu sei.”

BAE = “Before Anyone Else”. Este é mais recente, e refere-se a outra pessoa significativa ou um amigo próximo.

IDC = “Eu não me importo.”

BRB = “Be Right Back”. Isso geralmente é usado para indicar que alguém deixou temporariamente um bate-papo ou conversa em tempo real.

FTW = “Para a Vitória”, e é um retrocesso para jogos como “Tic-Tac-Dough”, onde a frase era comumente usada por um competidor que tinha conseguido uma vantagem competitiva sobre seus oponentes.

FYI = “Para Sua Informação”, e é anterior à Internet.

ILY = “Eu te amo.” Awww …

ICYMI = “In Case You Missed It”, usado com mais freqüência ao compartilhar um pedaço de conteúdo que está criando um buzz nas mídias sociais.

IMO = “Em minha opinião.”

IMHO = “Em minha opinião humilde,” que amortece o sopro IMO em determinadas conversações.

NM = “Não muito”.

NSFW = “Não é seguro para o trabalho” é usado como um aviso de que o material por trás de um link contém linguagem ou conteúdo não adequado para o local de trabalho.

IDK = “Não sei”.

JK ou J / K = “Just Kidding”. Este é particularmente útil para transmitir o tipo de tom de luz que pode escapar da compreensão da comunicação via texto.

LOL = “Laughing Out Loud”, e é um dos mais antigos na Internet. Tem variações como LMAO (“Laughing My A ** Off”), ROFL (Rolling on the Floor Laughing) e até mesmo uma fusão de todos os três: ROFLMAO (Rolling on Floor Laughing My A ** Off).

IRL = “Na vida real” é usado para distinguir entre coisas que acontecem no físico, em oposição ao mundo virtual.

NBD = “Não há grande coisa.”

NVM = “Never Mind”.

OMG = “Oh meu deus” ou “oh meu Gosh.”

SMH = “Shaking My Head.” É usado com mais freqüência para expressar emoções como frustração ou desânimo.

TBT = “Throwback Tuesday “, e agora é muito popular no momento da redação. Ele precede postagens de fotos antigas, produtos, etc. principalmente do próprio passado da pessoa.

WTF = “O que o F ***.” Não terrivelmente apropriado para o trabalho ou negócio …

YOLO = “Você só vive uma vez”, e tem sido popularizado online pelo artista de hip-hop Drake nos últimos dois anos.

Que fique claro que existe muito mais por aí, claro que alguns são mais intuitivos do que outros. Esta lista, no entanto, é um ótimo lugar para começar a se familiarizar com a linguagem, e desenvolver um sentido intuitivo quando você vê siglas que não são familiares.

Aprenda as últimas tendências, insights e melhores práticas das mentes mais brilhantes da mídia e da tecnologia. Qual sigla você não conhecia (não vale as divertidas, pois fiz mais ligado à gringa) e qual você usa mais.

Marketing Omnichannel em 6 Passos

 

A estratégia de marketing Omnichannel é agora obrigatória quando se trata de marketing para as empresas centradas no cliente, se quiserem corresponder às expectativas dos seus clientes você deve começar agora.

Marketing Omnichannel

Definição Vamos começar com o básico. Sim, o marketing do omnichannel é diferente do marketing multicanal. O último é o uso cumulativamente de pontos por toque múltiplos em sites, aplicativos móveis, mídias sociais, e-mail, textos offline, etc., em vez de apenas um, como meio para interações e transações entre empresas e clientes. Marketing Omnichannel é uma extensão de multicanal no sentido de que prega para uma integração de todos esses canais de modo que, independentemente do canal em uso, a interação com o cliente e a experiência do cliente é o mesmo. Assim, se seu cliente publica uma pergunta em seu site ou em seu twitter, você reconhece essa pessoa como a mesma pessoa e responde exatamente igual em todos os canais. . O Omnichannel está apenas tornando a experiência consistente e perfeita para seus clientes, independentemente do dispositivo ou ponto de contato que eles estão usando.

Voltando à formulação de um caminho de transição seguro para o seu negócio, você vai ver agora uma lista de coisa a fazer para ter um marketing Omnichannel redondinho, supondo que você já tenha os pontos básicos de interação negócio/cliente, como um site, um aplicativo para dispositivos móveis etc., já em vigor.

1. Requer Vontade Organizacional e Direção

Este deve ser o primeiro item em sua lista de verificação. Nenhuma nova estratégia funcionará a longo prazo se não tiver o patrocínio da alta gerência da empresa. A adoção do marketing de omnichannel é uma mudança de paradigma e não apenas uma montagem de ferramentas para um trabalho em particular. Exigirá uma mudança na cultura da empresa, precisamente porque exigirá uma coordenação de topo e a integração entre vários departamentos da sua empresa e equipes individuais que lidam com canais individuais. Omnichannel marketing pode não ser imediatamente eficaz, mas a longo prazo, ele vai dar retorno e é importante que sua estratégia não fique fora devido a uma falta de apoio de nível superior.

2. Requer uma identidade construída minuciosamente

Bem, você já pode estar fazendo isso, mas vamos colocar isso na lista de qualquer maneira. Identidade é a chave que abrirá um mundo de oportunidades no negócio digital. Além disso, é a única maneira que você pode ativar seus pontos de contato para interagir com os clientes e envolvê-los em uma base regular. Em termos mais simples, você deve ter os recursos para oferecer suporte à criação de contas para seus clientes em seu ponto de contato primário (mais comumente, o site e o aplicativo para dispositivos móveis). Mas isso não é suficiente. É importante que a Identidade do Cliente e Gestão de Acesso sejam eficazes, permitindo a conversão mais rapidamente, armazenar mais dados dos clientes para melhorar a sua experiência.

3. Requer dados contextuais do cliente

Capturar dados de clientes é uma das chaves para o marketing contextual. Mas isso não significa que você capture qualquer coisa e tudo que vem em seu caminho. Capture os pontos de dados que você realmente precisa e use isto em sua análise do comportamento do cliente. Cada segmento de cliente se comporta e responde de forma diferente. Você não pode vender um item de cozinha da mesma forma para um cara de 25 anos de idade e uma dona de casa de 35 anos de idade. Suas perspectivas seriam diferentes. Seu marketing deve ser projetado com base nas perspectivas de seu público-alvo. Assim, a capacidade de construir perfis de clientes ricos em coleta de dados, que sejam relevantes relevantes, podem lhe dar uma visão de suas perspectivas e uma preparação útil para a implementação de uma estratégia omnichannel.

4. É construído sobre a idéia do único cliente ver

Esta é uma etapa crítica para que você tome no trajeto ao marketing do omnichannel. De acordo com uma pesquisa da Econsultancy e da Adobe, a gestão de dados é a única grande barreira para o marketing omnichannel. O estudo constatou que, em 2016, cerca de 51% das empresas têm tecnologias separadas e não conectadas ao gerenciando dados para diferentes canais. Se sua empresa estava fazendo isso em 2016, significa que o seu pensamento está a milhas de seus clientes. Sim, isso é 100% verdade. Novas tendências de marketing existem porque os consumidores querem que as empresas trabalhem dessa forma. Voltando ao estudo da Econsultancy e da Adobe, apenas cerca de 5% das empresas têm uma única plataforma para gerenciar dados de vários canais. Naturalmente, você deve pensar que esta tecnologia é avançada e por isso tão poucas empresas estão fazendo isso, mas não. Pelo contrário, é bem simples. Tudo o que você precisa fazer é implantar uma plataforma de centralização de dados – ou plataforma de integração de dados – que possa ingerir dados de clientes de todos os seus pontos de contato e armazená-los em um único perfil de cliente. Em muitos aspectos, isso também implica ter a visão de cliente único. Na verdade, o Single Customer View é a essência do marketing omnichannel, e o lado positivo é que uma plataforma eficaz de Identidade de Cliente e Gerenciamento de Acesso dobrará como uma plataforma de centralização de dados criando uma única conta para cada cliente individual em vários canais. Vale ressaltar que os canais não são apenas on-line. A mistura deve incluir canais off-line como lojas de tijolo e argamassa, bem como aceitar histórico de transações off-line e integrar o mesmo com o perfil do cliente individual. Faça isso e você será uma parte desse top 5%, e estará no caminho para seguir as tendências de marketing omnichannel.

Marketing Omnichannel Requer a Centralização de Dados.

5. Requer um Marketing Altamente Integrado

Uma negócio com o marketing desintegrado não chegará em lugar algum. Você poderia ter todas as aplicações brilhantes da top empresas de tecnologia vendem no mundo todo, mas a menos que todos eles trabalhem em conjunto, você só vai obter resultados mistos em curto prazo e resultados pobres a longo prazo. Cada aplicação que você usa para comercializar o seu produto é uma parte de sua estratégia de marketing e todos eles devem misturar como ingredientes de um milkshake. Mas que parte é o leite? Sem dúvida, sua plataforma de Identidade de Cliente e Gerenciamento de Acesso deve ser leite em seu marketing “milkshake” distribuindo dados em todos os aplicativos de marketing que você emprega. Como já mencionado, ele pode dobrar-se como uma plataforma de centralização de dados e, essencialmente, por causa dessa capacidade, ele pode armazenar todos os dados do cliente e conversar com outras aplicações dando dados e atualizar perfis de clientes em linha com as entradas desses mesmos aplicativos de marketing. Ao fazer isso, também é importante evitar conflitos entre canais e marketing.

6. Requer o mesmo nível de compreensão do cliente em diferentes equipes em uma organização

Muitas empresas ainda continuam a cometer o erro de manter equipes de apoio ao cliente distante dos esforços de marketing . Existem razões convincentes por que este é um erro empresas devem imediatamente corrigir. Por exemplo, digamos que você tenha dois sites, um aplicativo para dispositivos móveis e uma presença ativa de mídia social. Digamos que um de seus clientes registrados tenha uma consulta com relação à sua conta. Agora, se ele levanta a consulta através de uma de suas contas de site, através do aplicativo para dispositivos móveis ou através do Twitter, a resposta deve ser a mesma. E isso é impossível, a menos que suas equipes de suporte ao cliente estejam cientes das atividades dos seus parceiros de marketing e do ciclo de vida do relacionamento com o cliente e dos eventos nele contidos. Uma equipe de suporte ao cliente desarticulada terá um conhecimento parcial dando respostas inconsistentes levando o descontentamento do cliente. Isto é exatamente o que você não quer. O cliente espera respostas rápidas, precisas e contextuais para suas consultas e a pessoa responsável por dar as respostas pode fazer um bom trabalho somente quando ele ou ela tem o contexto completo e informações. Se você fizer isso em uma ocasião, você criará uma boa experiência de usuário. Se você fizer isso de forma contínua e consistente em todos os seus pontos de contato, você cria uma boa experiência com o cliente.

Esta não pode ser a lista mais definitiva de pré-requisitos para o marketing de omnichannel. Mas, tenho certeza fiz todos os ítens essenciais para lhe dar uma vantagem.

A primeira coisa que você deve fazer agora é iniciar o omnichannel em seu negócio. Lembre-se, o que era luxo ontem é exigência mainstream e é algo que você não pode ignorar para sempre.