Diga não ao padrão: seja a mulher que você quiser.

Quando comecei a escrever, meu intuito era falar da dificuldade que as mulheres acima do peso têm na hora de comprar roupa. A sociedade impõe padrões às mulheres e eu quero que você diga não ao padrão.

Diga não ao padrão

Mas fui pesquisando, e conversando com vários tipos de mulheres e minha ideia tomou outro rumo. A conclusão foi que a brasileira não é padronizada.

O que isto quer dizer? Que não temos padrão. As marcas tem que se conscientizar disto.

Estou falando das brasileiras porque sou mulher, convivo com mulheres (da porra), de todos os biótipos e estilos.

Eu sou alta, magra e branca. Ok, eu não me considero branca porque tenho a pele clara. Passo no sol e fico morena, graças às descendências indígenas do lado materno. Mas segundo os estudos, sou branca e tenho cabelo liso.

Ok, meu problema é o menor dos menores. Eu sou minoria. A brasileira tem o perfil de 42 para cima.

Além de sofrerem por estarem fora dos padrões, também sofrem na hora de comprar.

Quem não usa manequim de 36 a 42, tem uma dificuldade enorme de comprar roupas. Quando acham roupas que servem, geralmente são roupas comuns. Não tem charme, graciosidade.

Durante o carnaval, vi inúmeras mulheres acima do peso e plus size reclamando que não achavam fantasias legais para elas. E eu me pergunto: Por quê?

Essas mulheres tem direito de se vestir bem, em roupas lindas e confortáveis. Elas tem o direito de se fantasiar do que quiser. Elas podem ser e vestir, o que quiserem!

Sobre as Mulheres acima do peso e Plus Size

  •  Independente do número que ela veste, tem cintura e bunda. Se não tem bunda, tem quadril largo. Elas têm curvas e não são o Bob Esponja para usar calça quadrada.
  • Elas são vaidosas. Gostam de roupas bonitas e com um bom caimento.
  • Elas podem usar saias, vestidos, macacões, shorts e o que elas quiserem.
  • Elas também acompanham as tendências.
  • Não é porque estão acima do peso que tem peito grande.
  • Não é porque tem peito grande que tem as costas largas.
  • Elas gostam de lingeries bonitas e sexys também.
  • Porque não vendem biquínis e calcinhas separados? Mais uma vez, a brasileira não é padrão, estando acima do peso ou não. Faça uma pesquisa, nenhuma das minhas amigas é P, M ou G. Todas são P/M, M/P, M/G, G/M, G/LG, LG/G. Mais uma vez, a brasileira tem curva!
  • Vendam uma numeração verdadeira. 42 não é 44 ou 46. 46 não é plus size.
  • Nem toda pessoa acima do peso é grande e nem toda pessoa grande está acima do peso.Diga não ao padrão- roupa plus size é feia

Conversei com algumas dessas mulheres e elas encontraram alguns adjetivos para definirem as roupas que acham para comprar e servem nelas:

  •  roupa de velho
  • não tem cor
  • roupa de saco
  • roupas que parecem um balão.

Sobre Padrões

Que padrão é este que é imposto? O que é ser normal? Você já parou para pensar nos preconceitos que essas mulheres sofrem?

Já ouvi tanta coisa.

“Todo gordo é preguiçoso.”

Diga Não ao Padrão - todo gordo é preguiçoso - o que?

 

O primeiro erro é chamar a pessoa de gorda, o segundo é associar o peso à preguiça. Conheço mulheres que trabalham, fazem academia, estudam, cuidam da casa, da família e nem por isso, perderam peso.

A mulher pode estar acima do peso e fazer exercício físico, seja ele qual for. Elas são dançarinas, professoras de yoga, faixa preta em taekwondo e continuam acima do peso.

O peso da pessoa nem sempre está associado à saúde. Conheço pessoas magras com uma saúde péssima e pessoas acima do peso com saúde ótima.

“Nossa, você está magra demais! Mulher tem que ter carne”. Sim, as magras também sofrem preconceito. Também tem suas dores, suas dificuldades. Também querem ser aceitas como são e muitas, não se acham lindas, mesmo estando dentro do “padrão”.

A beleza está nos olhos de quem vê. Assim como o preconceito.

Diga não ao Padrão

Então, venho aqui, dizer não ao padrão. Dizer não ao preconceito. Dizer à vocês mulheres, que não importa seu peso, sua altura, sua cor, seu cabelo, sua religião ou sua orientação sexual. Você tem o direito de se vestir da maneira que quiser. Você tem direito ao melhor que a vida tem a oferecer.

Toda mulher tem o direito de se sentir linda, ser amada e respeitada.

Toda mulher tem que ser ouvida.

Então, hoje, no dia das mulheres, não dê presente. Não dê flores ou chocolate.

Diga-não-ao-padrão-seja-a-mulher-que-você-quiser-girl-power

Dê a ela, não só hoje, mas o ano todo, o direito de ser quem ela é. Dê a ela a igualdade de direitos. Trate-a com respeito.

Lute ao lado dela, por seus ideais. Dê apoio, suporte.

Ajude a criar os filhos e os netos dela, para que no futuro, não nenhuma mulher precise lutar para ser respeitada.

Divida com ela os trabalhos do lar e as tarefas da vida.

Valorize as mulheres que estão ou não na sua vida o ano todo.

E como comecei falando da padronização, diga não ao padrão.

Dê a mulher o direito de ser quem ela quiser.

Mulheres, não aceitem nada menos que isso e exija ser respeitada. Mas não só hoje, que é o Dia Internacional da Mulher, mas o ano todo.

 

Escrita de verdade

Um texto com escrita de verdade

Desde muito novo as pessoas se surpreendiam e elogiavam os meus escritos e eu nunca realmente entendi o quão diferentes aqueles textos eram dos outros.

Durante a minha adolescência, eu adora escrever histórias de amor e eu escrevia novelas intermináveis, sempre baseadas naquelas narrativas longas e repletas de reviravoltas das telenovelas mexicanas.

Eu fui crescendo – ou talvez só ganhando mais idade – e meus interesses mudaram. Ou melhor, a forma de expressá-los mudou. Eu já não tinha paciência pra histórias tão longas; naquela época eu preferia contar das minhas ideias sobre amor, porém, sem me arriscar ou me atrever a estender o amor numa uma novela inteira.

Escrita de verdade

Hoje, eu continuo falando de amor. Não com novelas, e não em contos curtos que teorizam se ele existe ou não. E não necessariamente do amor romântico.

Eu faço desuso de alguns caracteres, corro de firulas e reviravoltas e trago as minhas verdades; essas que são diferentes – e nem de longe são leis – de tantas outras verdades de outra gente que aprendeu a amar das diversas maneiras possíveis.

O que é mais difícil não é escrever muito; é dizer tudo, escrevendo pouco.

Júlio Dantas

Talvez fosse “o amor” que tanto encantava os corajosos que me liam ou talvez tenha sido a forma corajosa como eu, mesmo aprendendo todos os dias sobre o que eu realmente estava falando, me deixava transparecer naqueles textos; honestamente, eu não sei.

Vivemos num tempo onde a escrita de verdade impressiona, onde  revolução é dizer daquilo que todo mundo sente, mas que poucos tem a ousadia de contar e onde sermos nós mesmos, ainda que num simples texto, rompe com um sistema que dita uma boa escrita como aquela que obedece regras gramaticais, converte em vendas e que está em primeiro lugar numa busca da internet, não importando se ela causa transformação em quem realmente a lê: pessoas.

Gratidão – Você é realmente grato?

Gratidão é um tema, ou melhor, uma palavra que vem se destacando cada dia mais. Se você procurar nas mídias sociais, vai encontrar milhões de postagens e imagens sobre gratidão.

Mas a pergunta é: Você é realmente grato?

gra·ti·dão

substantivo feminino

(latim gratitudo, -inis)

  1. Sentimento de lembrança e agradecimento por um bem recebido, em relação ao autor. = RECONHECIMENTO
  2. Qualidade do que é grato.

Gratidão - Você é realmente grato? - significado

‘Quando compreendermos o valor da gratidão, ficaremos imunes a todo tipo de sofrimento desnecessário’

Sri Prem Baba

Estou lendo um livro do Sri Prem Baba, chamado Transformando o Sofrimento em Alegria e claro que ele fala também de gratidão.

Prem Baba diz que temos que ser gratos por tudo e estou tentando aplicar isto no meu dia a dia. Mas não é só falar que é grato, é ser grato. É ver ou sentir algo e pensar: como sou grato por isso.

Geralmente agradecemos pela nossa casa, família, amigos… Mas podemos ser gratos a tanta coisa no dia a dia e o tempo todo.

Vou explicar! Uma das tarefas domésticas que menos gosto, bom, vou ser sincera, não gosto. Não gosto mesmo. Não gosto de lavar vasilhas. Mas o exercício da gratidão me ajudou a ser grata por esta tarefa.

Hoje, quando estou lavando as vasilhas, eu penso no quanto sou grata pelo alimento que comi, pela água que está saindo na torneira, por ter talheres em casa e também, por ter uma janela em frente a minha pia, que consigo contemplar o céu e um pouco da natureza enquanto faço esta tarefa.

Gratidão - Você é realmente grato?

Quem me conhece sabe que sou louca por crianças. Sempre que estou caminhando pelas ruas e vejo uma criança, sou grata por ver um sorriso de criança, uma peraltice ou ouvir uma conversa engraçada ou inteligente vindo delas enquanto espero o ônibus.

Gratidão - sorriso de criança

Sou grata por ter duas cachorras em casa, que me entorpecem com tanto amor.

Sou grata pelos velhinhos sorridentes que moram em meu bairro. Sempre recebo um sorriso, um “oi”, uma conversa despretensiosa enquanto caminho com as cachorras. Sou grata por ser aberta a ouvir “estranhos”.

Sou grata pela chuva. Como sou grata! Houve uma época em que eu ficava deprimida nos dias nublados ou chuvosas. Dias assim me transmitiam depressão, só o sol me animava. Hoje sou tão grata pela chuva, pois ela enche nossos rios que estão cada dia mais vazios, ajudam nossas plantinhas a ficarem mais verdes.

Gratidão - Você é realmente grato? - chuva

Ela traz abundância. Sou grata por sentir a brisa da chuva, o cheiro de terra molhada e aquele barulhinho dela, que parece música para meus ouvidos. Sem contar, que eu amo banho de chuva.

Continuo grata pelo sol! Esse que ilumina nossos dias e esquentam nossa alma e coração.

Sou grata pelas transformações que a vida me obriga a fazer. Sou grata por me permitir mudar, melhorar, escutar, falar, sentir, amar e principalmente, sou grata a todas as pessoas que me ajudam nestas transformações.

Sou grata pelos dias, semanas, meses e anos difíceis. Eles me ensinaram muito e também me fizeram valorizar cada bom dia, semana, mês ou ano que eu tive.

Sou grata por ter aprendido a aceitar ajuda, a ser menos orgulhosa e mais humana.

Sou grata por estar me permitindo cada dia mais, ser humana. Não, não estou louca. Estou me permitindo sentir, chorar e principalmente, demonstrar. Sou grata por ter descoberto que isso não é fraqueza e sim, ser humana.

Falei que sou grata pelas pessoas já, né? Mas vou falar de novo! Sou grata pelas pessoas que me ajudam, que me apoiam, me incentivam, me dão a mão e me levam pela vida junto com elas. Sou grata por elas me provarem todos os dias que sim, existem ser humanos bons.

Sou grata por cada momento bom que estas pessoas querem partilhar comigo. Sou grata por cada palavra falada ou ouvida. Sou grata por cada um que me levanta dos meus tombos. Sou grata por cada amigo, colega e irmão.

Gratidão - Você é realmente grato?  - amigos

Sou grata pela minha família, que não é perfeita, aliás, nenhuma é. Mas é minha! Eles são meus.

Sou grata por escrever cada palavrinha deste texto.

Sou grata por espalhar gratidão.

E eu desejo que você aprenda a ser grato. E que quando você falar ou pensar em gratidão, você realmente sinta. Você sorria com os olhos e com a boca, que você suspire. Pois foi isto que aconteceu comigo enquanto eu escrevia.

E por fim, gratidão por ler o meu textão!

(*) “gratidão”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013,

 

Tirando a Armadura…

E como você vai começar o ano? Eu vou começar me despindo… Vou começar tirando minha armadura.

Tirando a armadura

2017 me mostrou que as pessoas não me conhecem e a culpa, de certa forma, a culpa é minha. No decorrer dos anos, depois de muitos tombos, de quebrar e juntar os cascos, fui construindo uma armadura e assim, eu achava eu estava protegida.

Talvez estivesse, mas isso não impediu os tombos, as dores, as decepções e os desamores. Algumas vezes até contribuiu. Ninguém me conhece, mas eu estou me conhecendo, então, fiquem tranquilos! Estou assumindo aqui minha (grande) parcela de culpa.

Vou contar pra vocês algumas coisas que pessoas próximas, muito próximas, amigas antigas (me recuso a dizer datas) não sabem sobre mim.

Já falei isso aqui em outro texto: EU CHORO!

Choro muito e choro por tudo. Chorei vendo Karatê Kid, assistindo novelas, séries, comerciais, previsão do tempo e se eu estiver de TPM, choro se você me olhar torto ou não responder no whatsapp.

Mas o negócio é que eu tenho uma dificuldade enorme de chorar na frente das pessoas.

Fui criada para ser forte e independente, mas ninguém me explicou que eu podia chorar, que podia demonstrar minhas dores e minhas “fraquezas”. Todo mundo chora e não tem problema algum nisso.

Se você tem filho ou filha, não chore escondido. Demonstre! Você é um ser humano e tem que deixar isso claro para as crias, senão elas também não vão chorar ou chorarão escondido. Não os proíbam de chorar. Não os mandem calar ou enxugar as lágrimas.

Não prive as crianças, ou melhor, não proíba ou critique ninguém por chorar e mostrar o lado humano delas. Afinal, somos humanos e lágrima não é de fraqueza. Combinado?

Eu magoo facilmente. Sim, magoo.

Tirando a Armadura - Eu magoo fácil

Mas não demonstro, me calo e às vezes espero o momento certo (que eu acho certo) para fazer o mesmo com você. Sou dessas, me julguem!

Gente, eu falo pra caralho, mas descobri que eu não falo o que deve ser falado. Antigamente eu falava e falava de qualquer jeito, na hora que vinha e com toda fúria de quem foi magoada. Com o tempo parei e não sei ao certo o porque.

Mentira, eu sei. Primeiro que eu vi que também magoava as pessoas assim, e principalmente, porque queria ser aceita.

Ouvi tantas coisas pesadas, duras. Vi pessoas inventarem coisas sobre mim e levei a culpa por coisas que eu não tinha feito. Algumas vezes me falaram coisas apenas para me diminuir e adivinham? Conseguiram!

Peguei minha mágoa, apaguei as luzes e chorei. Porque agora vocês já sabem, né? Eu choro!

Preciso buscar o equilíbrio. Quando me magoarem ou falarem algo para me machucar, não tenho que devolver isso com raiva e magoar a pessoa de volta. Então a solução é entender o que está acontecendo e simplesmente perguntar: “Mas por que você está falando isso comigo?”. Aprendi isso com Shonda Rimes, confesso.

Talvez seja uma conversa difícil, mas vai valer a pena. Ou você vai se aproximar mais desta pessoa ou afastar. Mas o problema vai ser resolvido. Na hora, sem brigas, apenas como uma conversa. Quando devolvemos a pergunta, a pessoa costuma ficar sem graça e algumas vezes desarmar.

Não gosto de aniversários.

tirando a armadura - magoo fácil

Não, não gosto! Acho o máximo pessoas que gostam e até pouco tempo, eu fazia de tudo para o aniversário alheio ser especial, mas parei com isso também.

E não, meu problema não é a idade e também não, não vou falar a minha. O problema é que eu nunca senti que aquela data fosse minha. Faço aniversário dois dias depois da minha avó e nossas festas sempre foram juntas. Uma festa “para criança” onde só tinham velhos. Uma festa “para mim”, onde não tinham convidados meus, apenas família e alguns amigos da minha vó.

Fui criada em outra cidade e nas datas comemorativas vinha para BH. Meus amigos ficavam na minha cidade e eu vinha ficar com minha família paterna. Alguns anos eu consegui driblar e sair com alguns amigos, mas nunca senti que aquela comemoração era minha, sabe?

Teve um ano que fiz um evento no facebook: “Festa Surpresa pra Luh” e convidei meus amigos e familiares. Aí a galera ia postando sugestões do que fazer e eu dizia: “Gente, é surpresa, não me contem!!”.

Como sou muito brincalhona, não funcionou. Ninguém levou a sério e continuei sem festa de aniversário, sem surpresa e sem comemoração. Desisti.

Neste dia se eu pudesse sumia. Mas fico feliz com todos parabéns,  mensagens, ligações e lembranças. Sou estranha, né?

Também sempre tive desejos nunca mencionados. Na minha adolescência eu tive uma fase “Legionária”. Só escutava legião urbana. Ouvia, decorava todas as músicas e chorava. Cada música tinha uma história dentro de mim. E nesta época eu pensava: ainda vou aprender tocar violão, só para tocar legião.

Acho que nunca falei isto em voz alta. Ano passado eu entrei no coral do Templo que frequento e meu professor (Salve Tiago Buiú) incentivou todos do coral a aprenderem um instrumento, para ajudar na afinação e tal.

Houve um estalo em meu cérebro e lembrei-me desse desejo antigo e resolvi aprender a tocar. Peguei o violão do meu irmão emprestado, me comprometi com o youtube e estou no início do processo de aprendizado.

Não, não é fácil, ainda mais sem um professor, mas sou taurina e não vou desistir. Estou apaixonada com meu novo hobby.

Pronto, me despi. Estou nua, mas estou livre. Quero começar este novo ciclo transparente, mostrando quem eu realmente sou. Sem capa, sem armadura, sem máscara.

Talvez tenham mais coisas, mas estou em fase de transformação e tudo está mudando. Se você vê algo em mim que eu não falei, pode falar! Estou pronta para ouvir e para tentar melhorar. Se for elogio eu aceito e sorrio. Se não for, eu agradeço também!

Estou reconectando comigo mesma e está sendo surpreendente. Acontecem coisas incríveis quando olhamos com amor para nós mesmos. Você deveria experimentar.

Amélia Maravilha

Amélia Maravilha - Capa

Eu tenho orgulho de ser mulher e olha, não é nada fácil. Sou de uma geração de mulheres que denomina de AMÉLIAS MARAVILHA. Sim, é uma mistura de Amélia e Mulher Maravilha.

A Amélia Maravilha é dona de casa, chefe de família (Segundo o IBGE, em 2015, 40,59% dos domicílios tem a mulher como referência), ela trabalha fora cuida dos filhos, da casa e dela mesmo (do jeito que dá).

Ela é forte, ou pelo menos, é o que todos acham.

Amélia Maravilha - Super mulher!

Eu fico imaginando o conceito de mulher forte. Fiz uma pesquisa em minhas redes sociais e aqui estão algumas das respostas:

“Pra mim uma mulher forte é uma mulher que se ama… Uma mulher que tem coragem de seguir seu próprio caminho com amor. =)” (França, Bianca).

“Um pleonasmo. (…) Toda mulher é forte. É a mesma coisa de dizer entrar pra dentro” (Jacinta, Lúcia).

“Uma mulher que não vive para agradar aos outros e sim para se agradar. Uma mulher que se conhece.” (Rezende, Sofia).

“É uma mulher que se identifica não com suas particularidades, mas com o fato de ser um ser humano que tem consciência plena de suas necessidades e deveres diante de situações cotidianas e sentimentos. Uma mulher forte é aquela desapegada de escudos e lanças em detrimento à resolutividade que as situações prescindem.” (Gonçalves, Eduardo).

“Você” (Sidônio, Carla) (coisa linda de se ler <3).

Eu venho de uma linhagem feminina linda que “tá” sempre com um sorriso no rosto e um colo pra dar, e que quem vê o sorriso delas não acreditaria se eu começasse a contar cada um dos milhares de abusos que sofreram/sofrem. Eu nasci da força delas. Então, pra mim força e mulher são sinônimos.(Stoppa, Shantal)

“Minha mãe! É uma mulher de fibra, não preguiçosa q corre atrás da sua independência.” (Marconi, Guilherme).

Caso alguém mais responda, eu vou colocando aqui com o tempo.

Mas agora, vou contar a vocês, algumas coisas que muitos não sabem, outros ignoram, sobre a Amélia Maravilha.

1 – Elas choram!

Outro dia, em uma brincadeira entre amigos, eu falei a uma amiga:

“Se você falar assim comigo e eu estiver na TPM, eu choro”.

Ela:

“Mas você chora?”

E esta foi uma pergunta séria. Sim, eu choro e confesso que choro muito e em algumas fases por coisas bobas, até com a previsão do tempo.

Ninguém é forte o tempo todo. Temos fraquezas, sentimentos… Pasmem! Temos muitos sentimentos, como qualquer outro ser humano.

Amélia Maravilha - chora

2 – Elas precisam de carinho e atenção.

Quando as pessoas veem ou titulam uma mulher como forte e independente, acham que elas não precisam de nada, que são “autossuficientes”. Ah, como eu odeio essa palavra. E sim, meus caros, elas precisam de carinho, de atenção e de todos os cuidados possíveis.

Amélia Maravilha - ame-a

“Isso é coisa de mulherzinha, não combina com você”. Quantas de vocês, mulheres, que estão lendo este texto já escutaram essa infeliz frase?

Para quem fala esse tipo de coisa a uma mulher, eu digo: NÒS SOMOS MULHERZINHAS! Toda mulher gosta de algum tipo de “mulherzisse”. Ela gosta de ser cuidada e se sentir amada e por isso, ela cuida de todos e os fazem sentir amados.

Retribua tudo que ela faz para você e por você, dê à sua Amélia Maravilha o direito de mostrar toda sua fragilidade e doçura.

3 – Ela não tem que dar conta de tudo sozinha.

Uma das coisas que mais admiro nas mulheres é a versatilidade. A Amélia Maravilha consegue fazer várias coisas ao mesmo tempo, ela e multitarefas ou seria “multimulher”?

Só que, isso não quer dizer, que ela TENHA que fazer tudo sozinha. Ela precisa de ajuda e muitas vezes, por estar tão acostumada com isso, que não sabe pedir ajuda. Não espere que ela peça, ajude!

Divida com ela as tarefas DA VIDA. Apoie, converse, ofereça ajuda! Não importa quem esta mulher seja (mãe, irmã, tia, sobrinha, amiga, avó), ajude-a!  Algumas vezes, o simples fato de você demonstrar preocupação e que quer cuidar dela, já é uma ajuda.

4 – Ela se cobra demais.

Amélia Maravilha - o mundo é duro!

 

Toda Amélia Maravilha, acha que tem que ser perfeita em tudo e por isto, se cobra demais. Então, respeite o dia que ela quiser ficar de moletom e descabelada ou o dia que ela burlar a dieta.

Respeite as unhas por fazer ou quando a depilação não estiver em dia.

Peça a comida preferida dela ou faça o almoço/jantar, quando ela não estiver a fim de cozinhar. Mostre a ela, que ela não precisa ser perfeita para ser aceita e amada.

A Amélia Maravilha é dona de casa, empreendedora, executiva, faxineira, gari, secretária. Ela é negra, branca, amarela, mulata, morena e índia. Ela é doce, amarga, delicada, mandona, orgulhosa e brava.

Ela é católica, kardecista, umbandista e evangélica. Ela tem cabelos lisos, crespos, anelados, ondulados. Ela é gorda, magra, sarada e flácida. Ela é alta e é baixa. Ela está em todos os cantos do nosso planeta.

Ela merece ser respeitada e principalmente, merece ser cuidada e amada.

E o amor, meus queridxs, está em todos os detalhes. Em todas pequenas ou grandes ações do dia a dia. Está em tudo que ela faz. Você deveria aprender com ela.

 

E para você, Amélia Amélia Maravilha, que está lendo esse texto, não tenha vergonha de ser quem você. Não aceite menos do que você merece. Se aceite, com todas suas qualidades e defeitos.

Amélia Maravilha - Ame você!Se ame tanto quanto você ama os outros e muito mais. Cuide de você, viva para você e por você. Não se cobre tanto, você é mulher, mas não tem que ser a Maravilha o tempo todo. Se permita se cuidada, mimada, amada. Exija isso. É o mínimo que podemos fazer por nós.

Adeus 2017, gratidão!

 

Chegou a hora de dar adeus. Adeus 2017!

Eu não consigo definir meu ano em uma palavra. Sou uma pessoa que fala. Taurina falante? Sim, sou eu! Mas este ano descobri que passei uma vida enganada! Todos os sites astrológicos falavam que meu ascendente também era touro, mas não minha gente, meu ascendente é em gêmeos e Lua em Leão. Então serão muitas palavras para definir o ano. A primeira: DESCOBERTA.

Descobri que nunca sabemos de tudo, muito pelo contrário, não sabemos de nada. Não importa se você 10, 20, 30 ou 60, sempre estaremos descobrindo algo novo, na vida ou em nós mesmos!

Descobri tanta coisa, tantas pessoas. Descobri que eu não sou a única louca do mundo, que tem uma galera que é tão louca como eu e todos nós acreditamos em um mundo melhor.

Descobri que as pessoas podem me enganar, afinal, até eu me engano. Não, espera! Isso é passado, eu me enganava! Agora tenho um trato comigo, só vivo e aceito a verdade. Mas também descobri que as pessoas podem ser boas e que elas nem sempre são as que considero “amigas” e as que de chamo de “amigas” podem e vão me magoar.

 

Não, não foi um ano fácil. Então vamos à segunda palavra: LUTA!

Foi um ano que lutei muito e lutei bravamente… Contra eu mesma. Lutei para me entender, para focar, para mudar, para me aceitar.

Junto com a LUTA, veio outra palavra: AUTOCONHECIMENTO.

Sim, foi um ano que me REconheci. Foi um ano que resolvi olhar para mim. Foi um ano que descobri tanta coisa sobre mim que eu não tinha ideia. E olha, se você acha que me conhece, esquece! Se eu não me conhecia direito, como você pode conhecer? Mas este assunto será pauta para o primeiro texto do próximo ano.

E também, foi um ano de TRANSFORMAÇÃO.

Vi de camarote minha vida se transformando e eu, bom, eu estava ali, colada nela. Vi o mundo se transformando, buscando melhorar. Vi lutas alheias se transformando em minhas, pelo simples fato de eu amar os meus, sejam eles amigos ou parentes.

Também foi um ano de CONEXÕES e REconexões.

Foi um ano que me conectei com pessoas tão maravilhosas e me reconectei com outras espetaculares. Mas principalmente, estou reconectando comigo, com minha essência, com minhas virtudes e minhas crenças.

E por fim, a última palavra, mas a mais importante: GRATIDÃO

Não, não foi um ano fácil, mas sou muito grata a ele. Tenho certeza que ele veio me sacudir, me acordar, me ensinar e principalmente, me preparar para não só um ano, mas uma vida melhor.

E para 2018? Bom, não vou fazer metas ou planos. Vou viver, afinal, é para isso que estamos aqui, não é?

Momento Dessabotamento

Sim, eu estava sumida e sim, tem um motivo (DESSABOTAMENTO). Um não, vários. Costumo dizer que minha vida daria uma boa novela mexicana ou um livro que arrancaria muitas lágrimas e risadas. Não vou contar tudo que aconteceu, mas vou contar o principal.

Estou em uma fase de transição. Há algum tempo eu já me sentia perdida, sem rumo. Aquele velho questionamento:”É isso que eu quero?”. Então, esse e vários outros  estavam dentro de mim e há muito tempo. Então resolvi dar uma pausa em tudo.

Não foram meses sabáticos, porque não tenho “bala na agulha” para isso. Mas foram meses de crescimento,  muita dor, dificuldades e principalmente, de redescobrimento. No final, meses de amor também e só no final vocês entenderão.

MOMENTO DESSABOTAMENTO EU

E em um determinado momento desta “pausa”, surgiu um convite. Ou melhor, um presente. Uma amiga me presenteou com uma cortesia para participar de uma experiência, chamada Dessabotamento Total.

Primeiro, hesitei. De cara inventei mil desculpas para não ir. A minha mente dizia:

“Você vai sair de casa para participar de uma experiência?”

“Vai procurar um EMPREGO, mulher!”

MOMENTO DESSABOTAMENTO PENSAMENTOS

“Você está cansada hoje, fique em casa e veja umas séries.”.

Mas aí, meu coração, que é um sábio disse: “Esquece tudo e vai!”.

E depois de muito tempo, resolvi escutar meu coração. Fui.

Chegando ao local da experiência,  já recebi um presente, aliás, dois. Reencontrei Dani Brant (presente 1), que estava com um potinho e dentro tinham “Indiretas do Universo”(presente 2). E a minha dizia:

“VOCÊ NUNCA VAI ESTAR PRONTO PARA NADA. ENTÃO COMECE AGORA E NÃO PARE MAIS.”

Como vocês podem notar, o Universo não me mandou uma indireta e sim uma direta. Um tapa na cara, que em outras palavras dizia: “Acorda para vida, minha filha.”.

MOMENTO DESSABOTAMENTO TAPA NA CARA

A experiência é incrível. A Marcela tem o dom de mexer com as pessoas. Sem querer, mas querendo, ela te obriga a olhar para dentro de você, com mini revoluções que mudam seu modo de ver a vida. E você enxerga que você não está sozinho. Não é só você que tem problemas, tem muita gente que está passando pelo mesmo e ninguém nota.

Dento do #DT me reconectei com duas pessoas. A Nírcia, que eu conheci na época do Devaneios (fashion blog) e com a Dani Brant. Além disso, me conectei com a Marcela, com o Jalf (um garoto que faz nuvens), com as meninas do Jardim de Ísis (que podem transformar as frutas do seu quintal em potinhos de amor – em forma de geléia), Gabriel Patim (produtor), Carolina Dini e Daniel (do Cebola na Manteiga), Shantal e Luiza Alana (dois mulherões da porra). Estas são algumas das conexões que eu me lembro, mas tem muito mais.

O DT07 me desestruturou para eu me reestruturar. Depois a Marcela me cutucou e fui usufruir do CIPAM (Consultório de Ideias em Alto Mar), que é um bônus do DT. E claro, que ela deu uma sacudida nesta pessoa que vos fala.

A verdade é que ela me virou do avesso. Falei sobre coisas que eu achava que não tinham importância, mas a verdade é que eu tinha uma caixinha de merda guardada dentro mim.

Acha que é só isso? Não, ela ainda lançou três desafios. Saí do CIPAM anestesiada, mas decidida a cumprir cada desafio, mesmo não sabendo como.

Um dos desafios era procurar a Noéle Gomes. Gente, que mulher! Que profissional! A Noéle é terapeuta holística e um dos seus projetos, Barca, também é um bônus do DT. É uma “horinha” com a Noéle, ela chama de PRIMEIRO PASSO, que nada mais é do que um “Reconhecer” quem você é e trabalhar em cima das suas qualidades. que momento inenarrável.

Eu tinha me esquecido o que era ter qualidades. Se eu não sabia mais minhas qualidades, como eu estava vivendo, “BRASEL”?

Eu não estava vivendo, estava sobrevivendo. Isso não é viver. Eu estava vivendo para agradar os outros, para ser aceita. Estava vivendo em crenças que não eram minhas. Foi triste descobrir isso, mas, ao mesmo tempo, transformador.

Como isso pôde ser transformador? Bom, se eu não quero ser assim, tenho que mudar. Tenho que cuidar mais mim, me conhecer melhor, fazer as coisas que amo, porque quero e quando eu quero. Por quê? Por que sim! A vida é minha, os erros são meus e então, os acertos também.

MOMENTO DESSABOTAMENTO AMOR PRÓPRIO

O dessabotamento me transformou de uma maneira indescritível. Todas essas palavras, na verdade, não traduzem o que estou passando.

Hoje eu sou outra Luh Guedes. Estou decidida e me dessabotando a cada dia, a cada momento. Estou vencendo as crenças que estavam enraizadas em mim, mandando um foda-se bem grande para esse sistema de merda e aberta ao novo.

Estou descobrindo uma coisa nova. Um desejo, uma pessoa, uma vontade, uma maneira de viver a vida de maneira leve. Não estou esperando mudanças, estou fazendo.

E o principal, é que me aceitei do jeito que sou.

E porque eu contei tudo isso? Bom, primeiro porque acho que todo mundo deveria dessabotar (e se você interessou clica aqui (bit.ly/DTNOVE) e segundo, que esse site também vai entrar no processo de dessabotamento.

Você deve estar se perguntando: “Mas Luh, você não vai mais escrever sobre mídias sociais?”. Vou. Mas vou escrever sobre outras coisas também. Vou escrever sobre o que eu quiser aqui. O IG (@aluhguedes) vai ser pessoal e profissional.

Vai ter postagem de comida, foto (muitas) das minhas cachorras, dicas de mídias, de lugares legais (ou não legais), frases idiotas, frases inteligentes e stories para todos os gostos. Enfim, algumas pessoas vão conhecer melhor meu lado humano e outras o profissional. Se é o certo, eu não sei e nem quero saber, mas é o que eu quero.

Esta é mais uma decisão dessabotada e quem não gostar, FODA-SE!

MOMENTO DESSABOTAMENTO FODA-SE

Não nasci para agradar, nasci para viver.

Gostou? Então, DESSABOTA também!